Vanderley Cordeiro de Lima nunca desistiu de correr

Único brasileiro a receber a maior honraria do esporte olímpico, ex-maratonista ainda dá suas corridinhas

Amanda Romanelli, O Estado de S. Paulo

27 de março de 2013 | 14h28

SÃO PAULO - O episódio aconteceu há mais de oito anos, mas nenhum brasileiro esquecerá do olhar amedrontado de Vanderlei Cordeiro de Lima para seu algoz em plena disputa da maratona da Olimpíada de Atenas, em 2004. O fundista brasileiro, que liderava uma das mais relevantes provas do atletismo olímpico, foi atacado pelo padre irlandês Cornelius Horan. Saiu momentaneamente da disputa, foi salvo por torcedores e voltou para a corrida, ainda com fôlego e concentração suficientes para conquistar a medalha de bronze.

Sua altivez e seu espírito olímpico foram reconhecidos com a medalha Pierre de Coubertin, maior honraria dada pelo Comitê Olímpico Internacional a um atleta. A vida de Vanderlei começou como uma grande prova de superação. Natural da pequena Cruzeiro do Oeste, no interior do Paraná, trabalhou como boia-fria para ajudar a família a conquistar seu sustento. Foi nos caminhos de terra batida que achou um lugar no atletismo.

Leia Também

RIO 2016

Talento natural para as provas de fundo, o corredor disputava corridas de rua e na pista. A maratona, que lhe traria a medalha olímpica, veio por acaso. Em 1994, foi contratado para ser o “coelho” (atleta que puxa o ritmo da prova) da Maratona de Reims, na França. Mas, em vez de abandonar a disputa no quilômetro 20, acabou vencendo a corrida. Além do bronze em Atenas, também foi campeão do Pan de Winnipeg, em 1999. Escolheu a Corrida de São Silvestre, que nunca venceu, para marcar sua despedida, em 2008.

Apesar da aposentadoria, Vanderlei, hoje com 43 anos, nunca parou de correr – mas agora, faz o esporte como hobby, para manter a forma. O atletismo continua em sua vida. O ex-maratonista é padrinho da equipe BM&F Bovespa e mantém um projeto social em Campinas. O Instituto Vanderlei Cordeiro de Lima atende 200 crianças, com o objetivo de educar através do esporte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.