Vasco, em casa, luta contra humilhação histórica

Além de precisar bater o Vitória, time torce por uma combinação de resultados para não ser rebaixado

Bruno Lousada e Sílvio Barsetti, RIO, O Estadao de S.Paulo

06 de dezembro de 2008 | 00h00

São Januário estará lotado hoje à tarde para um dos jogos mais importantes da história do Vasco, clube quatro vezes campeão brasileiro e dono de um currículo único e invejável. Superar o Vitória, às 17 horas, é uma obrigação e, ao mesmo tempo, apenas um detalhe. Para se livrar do rebaixamento, o clube carioca não depende apenas de suas forças. Tem ainda de torcer por uma combinação de resultados. As sociais e a arquibancada do estádio estarão divididas. O apoio de sua apaixonada torcida pode se transformar numa catarse ao fim da rodada, com imagens memoráveis de alegria e redenção, ou numa frustração inédita, com conseqüências imprevisíveis e cenas comoventes unindo gerações mais velhas e uma incontável quantidade de paixão adolescente pelo clube. O jogo de hoje, além do drama que o cerca, marcará a despedida de um dos atacantes mais polêmicos e talentosos do futebol brasileiro. Aos 37 anos, Edmundo quer deixar o esporte pela porta da frente. Sonha ter um grand finale como convém aos ídolos."Ele vai se sentir triste, mas uma hora teria de parar mesmo", declarou o técnico Renato Gaúcho, convicto de que a decisão de Edmundo é duríssima. Tão difícil quanto isso é conviver com a ameaça de rebaixamento. "É estressante", comentou o treinador, que, a julgar pela suas últimas entrevistas, não deve continuar no Vasco em 2009. Nenhum clube chega próximo ao fundo do poço por acaso. A atual diretoria culpa as gestões anteriores pela crise. "Assumimos um clube com o balanço mensal atrasado de janeiro a junho de 2008 e com as cotas de patrocínio e de televisão comprometidas ", afirmou o presidente do Conselho Fiscal do Vasco, Hércules Figueiredo. O caos nas finanças do clube resulta em atrasos salariais, ações trabalhistas e num time pouco expressivo. O Vitória, que pode ser o responsável pela tragédia vascaína, promete dar trabalho ao adversário. "Nossa obrigação é jogar forte e fazer uma boa apresentação para deixar uma boa imagem da participação da equipe este ano", disse o volante Vanderson, esperançoso no triunfo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.