Matin Meissner/AP - 18/08/2013
Matin Meissner/AP - 18/08/2013

Velocista que reclamou da CBAt pode ser punida por indisciplina

Treinador-chefe diz que vai encaminha relatório recomendando suspensão de seis meses a um ano para Vanda Gomes

Alessandro Lucchetti, O Estado de S. Paulo

20 Agosto 2013 | 18h55

SÃO PAULO - A velocista Vanda Gomes, da equipe de revezamento 4x100m do Brasil, pode ser punida devido ao teor de suas declarações após a desclassificação do quarteto no Mundial de Moscou. Na última passagem, de Franciela Krasucki para Vanda, o bastão caiu, o que acarretou a perda da última chance de medalha brasileira. Naquele momento, o Brasil ocupava a segunda colocação, atrás apenas da Jamaica, que conquistou o ouro.

Vanda declarara, ainda na Rússia, que a equipe treinou pouco e que, por 40 dias, alimentou-se e dormiu mal.

“Alguém ficaria dormindo e se alimentando mal por 40 dias sem reclamar? Nós não recebemos nenhuma reclamação dessa atleta. É muito estranho receber essas críticas depois”, disse o treinador-chefe, Ricardo D’Ângelo, que vai encaminhar um relatório ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva do atletismo recomendando a suspensão de Vanda por seis meses a um ano.

Nesta terça-feira, pela manhã, na chegada da delegação, Vanda abrandou o discurso. “O que quis dizer quando falei sobre comer mal e dormir mal é que quando você sai do conforto da sua casa, você está comendo e dormindo mal. Não me lembro de ter dito que a CBAt não nos deu comida ou pouso. Em Daegu (2011), fiquei 20 dias comendo peixe cru”.

Ana Cláudia Lemos da Silva desmentiu Vanda. “Acho que não faltaram boas condições. Se tivesse faltado, eu não conseguiria ter repetido a terceira melhor marca da minha carreira”.

Mais conteúdo sobre:
atletismoMundial de Moscou

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.