Cristiano Estrela/Agência RBS
Cristiano Estrela/Agência RBS

Velório de Ricardinho tem a presença de 1,5 mil pessoas em SC

Morto na última terça após levar três tiros de policial surfista recebeu homenagens de amigos e familiares durante despedida em Palhoça

Tomás M. Petersen - Especial para O Estado, O Estado de S. Paulo

21 de janeiro de 2015 | 09h57

O corpo do surfista catarinense Ricardo dos Santos, o Ricardinho, foi velado durante a madrugada desta quarta-feira no salão paroquial da Guarda do Embaú, em Palhoça (SC). Cerca de 1,5 mil pessoas compareceram ao local para prestar homenagem e apoio à família. O caixão chegou por volta das 22h em meio a aplausos e ovações. 

Ao contrário do planejado, o desejo do próprio Ricardinho de ser cremado e ter as cinzas jogadas no mar da Guarda do Embaú e no Havaí não será atendido por enquanto. A família optou pelo enterro, para que o corpo esteja disponível caso a investigação de sua morte necessite uma exumação. O sepultamento foi marcado para as 10h desta quarta-feira no cemitério de Paulo Lopes, cidade vizinha a Palhoça.

O surfista morreu no início da tarde desta terça-feira ao não resistir aos ferimentos provocados por três tiros que levou na última segunda. Os disparos foram na região do tórax e abdômen e mesmo depois de ser submetido a quatro cirurgias, o quadro de hemorragia foi solucionado e ele teve ainda uma parada cardíaca.


Ricardinho, que tinha 24 anos, foi baleado na porta de sua casa na Guarda do Embaú, em Palhoça. Os disparos foram feitos pelo policial militar Luiz Paulo Mota Brentano, que é está preso no quartel da PMr em Florianópolis. De acordo com testemunhas, o surfista discutiu com o policial e seu irmão após a dupla parar o carro sobre um cano da obra que estava sendo realizada pelo seu avô, Nicolau dos Santos. Depois do desentendimento, o jovem levou três tiros.

Em depoimento, o policial alegou ter agido em legítima defesa e afirmou que Ricardinho estava com um facão. Porém, o delegado responsável pelo caso, Marcelo Arruda, disse que não foi encontrado na casa do surfista nenhum facão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.