Uli Seit/The New York Times)
Uli Seit/The New York Times)

Vencedores da Maratona de Nova York receberão R$ 400 mil de premiação

Competição distribuirá cerca de R$ 3,6 milhões no total para os competidores

Andreza Galdeano e Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

01 de novembro de 2019 | 11h00

A Maratona de Nova York não é uma prova tão rápida como a de Berlim, por exemplo. Mesmo assim ela atrai grandes atletas internacionais. O domínio nos últimos anos tem sido dos africanos e de um brasileiro, Marilson Gomes dos Santos,  que já venceu a corrida duas vezes (2006 e 2008). Ele entrou para o Hall da Fama da prova. "Estou honrado por fazer parte do seleto grupo dessas pessoas", disse na cerimônia de premiação. Apesar da distância de tempo da última vez que Marilson ganhou nos EUA, ele ainda é apontado como uma referência da competição.

Para a edição da prova neste domingo, os campeões da elite masculina e feminina embolsarão US$ 100 mil (cerca de R$ 400 mil) cada um. No total, serão distribuídos mais de US$ 900 mil (R$ 3,6 milhões) em premiação para as diversas categorias. A primeira largada, marcada para 9h30 (horário de Brasília) do domingo, será para a disputa de cadeirantes. A elite feminina parte 10h10, e a masculina, 10h40.

Na primeira edição da prova, em 1970, quando o país vivia uma efervecência cultura, 127 atletas largaram e apenas 55 ultrapassaram a linha de chegada. A vitória foi do norte-americano Gary Muhrcke. Ele correu o percurso em 2h31min38s. Com o passar dos anos, a disputa foi ficando cada vez mais internacional, os tempos foram baixando e a quantidade de pessoas aumentou exponencialmente.

Na última edição, no ano passado, 52.814 pessoas participaram da prova. A vitória ficou com o etíope Lelisa Desisa no masculino. A queniana Mary Keitany ganhou no feminino. Com um percurso passando por grandes cartões-postais da cidade, e a chegada no Central Park, muita gente opta por competir em NY também pelo glamour da cidade.

Só para se ter uma ideia, a inscrição para a Maratona de Nova York, para pessoas que não moram nos EUA, custa US$ 358, o equivalente a R$ 1.438. Para o brasileiro, é um valor bem significativo, mesmo sendo uma prova com boa estrutura de hidratação e suporte médico durante todo o percurso.

O domingo marcará ainda o retorno da tricampeã da prova Mary Keitany, do Quênia. Apesar do favoritismo, ela mostra humildade e garante que tem adversárias à altura. No masculino, o destaque é Lelisa Desisa, campeão no ano passado e que chega motivado por ter conquistado a medalha de ouro na maratona recentemente em Doha, no Mundial de Atletismo. A Maratona de Nova York fecha o calendário das competições Majors, que incluem outras seis provas de grande nível internacional: as de Tóquio, Boston, Londres, Berlim e Chicago. Todas já foram realizadas neste ano.

 

Tudo o que sabemos sobre:
atletismoMaratona de Nova York

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.