Vento atrapalha de novo Louis Vuitton

Com a experiência de quem representou o iatismo belga em três olimpíadas, o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Jacques Rogge, foi convidado pela tripulação do veleiro suíço Alinghi, que disputa as semifinais da Copa Louis Vuitton - classificatória para a America?s Cup - no Golfo de Hauraki, na Nova Zelândia, para participar da regata desta sexta-feira contra o norte-americano Oracle BMW. Mas, pela 16ª vez na competição, a disputa foi cancelada porque a velocidade do vento, de 52 km/h a 65 km/h, era maior que a permitida pelas regras (de 13 km/h a 35 km/h)."É uma pena que esses barcos magníficos não possam velejar numa brisa de 46 km/h", ironizou Rogge, que fez uma escala na Nova Zelândia a caminho de uma reunião de Comitês Olímpicos, na Austrália. "As emissoras de TV e o público odeiam esses cancelamentos." Para ele, o regulamento da Louis Vuitton deveria ser independente do da America?s Cup - o limite da velocidade do vento da Louis Vuitton reproduz a média da que será encontrada na America?s Cup, em fevereiro. "A não ser pela falta de vento, só vejo motivo para adiar uma regata se a velocidade passar dos 65 km/h." Neste sábado, o Alinghi tentará fechar em 4 a 0 a série diante do Oracle e o Luna Rossa (Prada), da Itália, buscará a segunda vitória contra o OneWorld.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.