Fabio Motta / Estadão
Fabio Motta / Estadão

Ventos fortes prejudicam Mundial de 49er em Portugal; brasileiras seguem em 3º

Atletas aguardam a melhora nas condições climáticas para encerrar a participação neste sábado

Estadao Conteudo

01 de setembro de 2017 | 21h06

A dupla brasileira formada por Robert Scheidt (bicampeão olímpico) e Gabriel Borges não conseguiu velejar nesta sexta-feira no Campeonato Mundial de 49er, que está sendo realizado na Cidade do Porto, em Portugal. A competição foi interrompida devido a rajadas de vento que chegaram a 22 nós (cerca de 40 km/h) e provocaram a formação de ondas grandes. Agora, os brasileiros aguardarão a melhora nas condições climáticas para encerrar a sua participação neste sábado.

"O dia começou com mais vento que ontem (quinta-feira). As meninas foram para a água primeiro e fizeram quatro regatas. Quando seguimos para a raia de largada, por volta das 13 horas, o vento tinha aumentado bastante, na casa dos 22 nós, com o mar bem grande. Com isso, a comissão cancelou as provas. Estava realmente complicado e, infelizmente, muita gente se machucou. Estamos bem e espero que o tempo permita as quatro regatas programadas para amanhã (sábado)", contou Robert Scheidt.

Robert Scheidt - maior medalhista olímpico do Brasil e considerado uma lenda viva nas classes Star e Laser - e Gabriel Borges estão na 35.ª posição do Mundial, com 58 pontos perdidos. Mas a dupla brasileira ficou fora da flotilha ouro e disputa a prata. Scheidt também busca um desafio nesta nova categoria para iniciar um novo ciclo olímpico com vistas ao Jogos Olímpicos de Tóquio, no Japão, em 2020.

Entre os demais brasileiros que disputam a competição, Carlos Robles e Marco Grael surgem em 19.º lugar. Já Dante Bianchi e Thomas Low-Beer estão no 38.º posto.

Mas é no torneio feminino que o Brasil tem o seu melhor desempenho no Mundial, em Portugal: Martine Grael e Kahena Kunze - dupla campeã olímpica no Rio-2016 - seguem na terceira colocação na classe 49er FX. Nesta sexta-feira, quatro regatas femininas foram disputadas com rajadas fortes. A dupla brasileira venceu uma prova, teve dois terceiros lugares e um 10.º lugar que entrou no descarte.

Martine Grael e Kahena Kunze já têm um título mundial no currículo. Foi em 2014 em Santander, na Espanha, onde conquistaram o Mundial de classes olímpicas. A dupla também tem uma medalha de prata no Mundial de 2015.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.