Ver a equipe pode passar a custar até R$ 1 mil

O torcedor corintiano que se prepare. A classificação da equipe para a fase mata-mata da Taça Libertadores vai custar caro para aqueles que desejam acompanhar a saga alvinegra no Pacaembu. O preço dos ingressos, que já é motivo de reclamação para boa parte da torcida, deve ficar ainda mais salgado. Embora o porcentual não esteja definido, alguns setores, sobretudo os mais nobres, como a área VIP, podem ser reajustados em até 100%. Nesse caso, o bilhete atual, que vale R$ 500,00, passará para R$ 1 mil. O primeiro jogo no qual os torcedores vão se deparar com a nova tabela é o de volta das oitavas de final, marcado para a primeira semana de maio.

Wagner Vilaron, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2010 | 00h00

A diretoria parte do princípio de que os valores devem ser proporcionais à importância do evento. Mas isso não quer dizer que haverá reajustes a cada fase. Se o Corinthians avançar, a expectativa é de que os valores mudem apenas em uma eventual final. Na fase de grupos, os preços eram os seguintes: cadeira especial laranja (R$ 200,00), numerada descoberta (R$ 300,00) e área VIP (R$ 500,00).

Dificuldade. Outro assunto que provoca polêmica no Parque São Jorge é o sistema de venda dos ingressos. Corintianos que fazem parte do programa Fiel Torcedor têm preferência na compra, feita pela internet, além de descontos que podem chegar a até 50%. Pessoas interessadas nas entradas, mas que não contam com acesso à rede mundial de computadores, precisam torcer para que sobrem bilhetes para venda em bilheteria.

Além do clube, a Conmebol também apoia a decisão de aumentar os preços. A entidade fica com 10% da renda bruta. "Por isso o Corinthians é o único clube que paga para jogar", disse o presidente Andrés Sanchez. "Nós recebemos cota de US$ 120 mil (R$ 215 mil) e nossa renda bate R$ 2,3 milhões. Ou seja, pagamos mais do que recebemos."

Depoimento. Por falar em Sanchez, o presidente corintiano voltou a ser chamado para depor ontem, na 6.ª Vara Criminal Federal, sobre a parceria com a MSI. O caso, conduzido pelo juiz federal substituto Marcelo Costenaro Cavali, analisa a suspeita de envolvimento do magnata russo Boris Abramovich Berezovsky com lavagem de dinheiro no futebol brasileiro.

INGRESSOS

R$ 215 mil

é a cota paga pela Conmebol por mando de jogo na Libertadores

50%

é o desconto máximo no preço dos ingressos ao Fiel Torcedor

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.