Ver o craque vira presente de aniversário

Família Ceraso realiza o sonho de Lucas, que hoje faz 12 anos

, O Estadao de S.Paulo

13 de dezembro de 2008 | 00h00

Eles vinham de todos os lados, cantando, pulando, gritando. Crianças, adultos, idosos. De bicicleta, lotação, metrô ou a pé. Com amigos ou parentes. A apresentação de Ronaldo foi uma festa familiar. E o termo festa ganhou ainda mais significado para os Cerasos. Pai, mãe e cinco filhos, entre eles, Lucas, cabelo espetado e alegria radiante. "É o melhor presente de aniversário do mundo (faz 12 anos hoje) ver o Ronaldo no meu time", soltava a voz, na espera de ver o craque que tenta imitar jogando bola ou no visual - espera o novo corte de cabelo do ídolo para copiá-lo. "Ele pediu e não podíamos negar, somos corintianos, vamos aos jogos e fazemos tudo pelos filhos", também mostrava alegria a mãe, Ana Paula, enquanto amamentava Izabella (1,4 anos), observada pelos herdeiros Matheus (9), Davi (7) e Rafael (15). O marido Ricardo guardava lugar na fila. "Para ficarmos num lugar melhor."Outro casal, Vinícius e Andréia, viajou mais de 70 quilômetros de Vinhedo até o clube, com a pequena Amanda, de 4 meses, para "apresentá-la ao Fenômeno." "Para ele ver quanto é o amor do corintiano. Espero que retribua com gols nos clássicos", disse Vinícius.Valquíria de Jesus, ilustre torcedora de 66 anos, presente todos os dias no clube, levou uma garrafinha com água benta de Santo Expedito para abençoar o craque. "É nosso maior presente de Natal, raçudo, dedicado, vai brilhar", disse, vestida de Mamãe Noel.Clayton Assad, o popular Jamanta, outro tradicional corintiano, ganhou um presente que para sempre fará o dia 12 de dezembro, data da apresentação de Ronaldo, ser um dia especial: a bola de um dos primeiros chutes do Fenômeno. Sentado na arquibancada, ele conta que a bola caiu em suas mãos. "Não precisei pular, nem entrar na frente de ninguém. A bola veio direto do pé do Ronaldo para minha mão", dizia, orgulhoso, exibindo o troféu. Jamanta disse que a bola vai ficar exposta em sua loja, no Brás, e que pretende até fazer um pedestal para ela. "Sou o torcedor mais feliz do mundo neste dia."Outra torcedora que aproveitou a festa para fazer sucesso foi Maria Antonieta de Paula, de 77 anos, a "Dona Zica da Fiel", famosa entre os torcedores pela semelhança com Dona Zica da Mangueira, figura tradicional do carnaval carioca falecida em 2003. Dona Zica, a original, era flamenguista, o que provocou brincadeiras com a corintiana. "Sou flamenguista no Rio também, mas como moro em São Paulo há mais de 50 anos, virei uma corintiana fanática. Não tem problema o Ronaldo ser flamenguista", disse. "O que interessa é que, de agora em diante, ele será mais um grande corintiano."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.