Vettel e Weber surpresos com a 1ª fila em Monza GP da Itália

Circuito não tem sido favorável à Red Bull, que espera o ataque de Ferrari e Mercedes na prova a ser disputada sob chuva

MONZA, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2013 | 02h09

Bloco dos mais rápidos nas duas primeiras tomadas de tempo Bloco dos melhores na primeira e dos piores na

segunda tomada de tempo Bloco dos piores na primeira tomada de tempo

Os pilotos da Red Bull, Sebastian Vettel, o pole position, e Mark Webber, segundo no grid do GP da Itália, em Monza, se disseram surpresos, ontem, com o resultado. "Historicamente essa pista não nos é favorável." O que ambos não falaram é que a versão do modelo RB9-Renault lançado na prova da Bélgica, há duas semanas, levou a Red Bull a de novo ter importante vantagem para os concorrentes.

Mas sobre as 53 voltas da corrida mais veloz do calendário Vettel afirmou: "Vimos que a Ferrari está com um ritmo muito forte de corrida e mesmo a Mercedes, largando mais para trás, deve vir para a frente". Com desgaste de pneus reduzido, espera-se duas paradas, hoje. A Pirelli levou para Monza seus pneus duros e médios.

Nos três últimos anos, o tricampeão Vettel venceu o GP da Itália apenas em 2011, quando possuía um carro que explorava o recurso do escapamento aerodinâmico como ninguém. No ano passado viu a McLaren ser primeira com Lewis Hamilton e em 2010, Fernando Alonso, da Ferrari. "Toda vez que venho aqui é especial porque foi onde que ganhei pela primeira vez (com a Toro Rosso, em 2008). Desta vez temos um carro rápido de novo, mas o que vimos na classificação não deve ser como será a corrida."

Alonso, quinto no grid e 46 pontos atrás de Vettel (197 a 151) no Mundial, Lewis Hamilton, apenas 12.º, e Kimi Raikkonen, 11.º, esperam que Vettel não esteja escondendo o jogo. "Se Sebastian ampliar a diferença na classificação aqui em Monza e depois em Cingapura (dia 22), só nos restará passar a pensar em 2014", afirmou Alonso.

Há um fator que pode alterar substancialmente o que a sessão de classificação sugere para a corrida: a chuva. A meteorologia prevê elevadas possibilidades de a prova ser disputada com o asfalto molhado.

A grande surpresa, ontem, foi a terceira colocação do alemão Nico Hulkenberg, da Sauber. A escuderia suíça disputa um de seus piores campeonatos. "É incrível. Sexta-feira o carro estava horrível e hoje muito veloz", disse, rindo, Hulkenberg.

Como o mercado de pilotos está muito sensível a quem poderá ser o companheiro de Alonso na Ferrari, em 2014, ele comentou: "Sim, o que impressiona na Fórmula 1 é o resultado. Mas estou interessado apenas na corrida". Hulkenberg e Raikkonen são os mais nomes caso a Ferrari não renove com Massa.

O piloto brasileiro registrou o quarto tempo. Alonso reclamou no rádio que a equipe não trabalhou como nos outros treinos, com Massa à sua frente para que ele pudesse aproveitar o vácuo. Depois, como sempre, disse ter sido mal interpretado.

Massa precisa de um grande desempenho para manter suas chances na Ferrari. A largada do GP da Itália será às 9 horas. / L.O.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.