Vettel ganha a 8ª no ano e pode ser bi em Cingapura

Alemão abre 112 pontos sobre Fernando Alonso e fica muito perto de decidir o título, com 5 corridas de antecedência

Livio Oricchio, O Estado de S.Paulo

12 de setembro de 2011 | 00h00

ENVIADO ESPECIAL

MONZA

Sebastian Vettel, da Red Bull, venceu este ano o GP de Mônaco, pista de rua, a mais lenta do calendário. Foi primeiro também na Bélgica, no desafiador traçado de Spa-Francorchamps, sob as temperaturas mais frias da temporada até agora, 15 graus. E ontem, no circuito mais rápido do calendário, em Monza, sob sol de 30 graus, não teve ninguém que ameaçasse a sua oitava vitória do ano. Em outras palavras, a Red Bull desenvolveu um carro que, em condições normais, não importa o desafio, é imbatível. Conduzido por um piloto tão eficiente que, apesar de ter 23 anos, já na próxima etapa, dia 25 em Cingapura, seis antes do fim do campeonato, pode definir o bi. Faz todo sentido.

Trajetórias excepcionais como as de Vettel e da Red Bull, este ano, criam problemas a quem descreve seu sucesso. Os superlativos começam a ficar escassos. Se no circuito que o próprio Vettel deu a entender ficar satisfeito com um pódio, Monza, acabou vencendo, com enorme vantagem para Jenson Button, McLaren, segundo, e Fernando Alonso, Ferrari, terceiro, o que esperar das demais seis provas que restam? Outro resultado que não a sua vitória passa a ser surpreendente.

Por esse motivo e diante da diferença de pontos imposta à concorrência, as provas do Japão, Coreia do Sul, Índia, Abu Dabi e Brasil poderão, no máximo, assistir à definição do vice-campeão entre Alonso, Button, Mark Webber, Red Bull, abandonou o GP da Itália, ontem, e Lewis Hamilton, McLaren, quarto em Monza. (Leia abaixo o que Vettel precisa para ser bicampeão em Cingapura.) Vettel não conteve o choro no pódio, ontem, diante de milhares de torcedores sempre inflamados, assinatura das corridas no circuito italiano, inaugurado em 1922. "Me veio à mente as fortes emoções vividas aqui na minha primeira vitória na Fórmula 1", disse. Foi em 2008, com a Toro Rosso, sob chuva, depois de largar em 1.º. O talento de Vettel já despontava de forma insofismável. Com a de ontem, Vettel soma 18 vitórias na F-1.

"Posso (ser campeão)?" Reagiu Vettel ao ser questionado a respeito do seu primeiro match point. "Não pensei nisso. É um erro planejar. Vou encarar o GP de Cingapura como uma etapa normal. Depois, vamos ver." Mais tarde, lembrou ter sido essa a receita para ser campeão no ano passado, na última prova, em Abu Dabi. Vettel comentou sobre o resultado inesperado, em voz pausada, como refletindo o seu momento. "É incrível o salto que nossa equipe deu de 2010 para cá, como tudo funciona melhor." Mas apesar de o piloto da Red Bull não ter tido dificuldades depois de reassumir a liderança perdida na largada para Alonso, na quarta volta, uma depois de o safety car sair da pista, em razão de um acidente na largada, o GP da Itália apresentou batalhas. Como entre Hamilton e Michael Schumacher pelo 3.º lugar. No fim, o inglês terminou em 4.º e o alemão, na melhor corrida desde o retorno à F-1, 5.º. "Somos conhecidos por pilotar no limite e foi o que fizemos", disse Schumacher. "Tive de alargar meu carro o máximo possível bem como tornar a pista, por vezes, a mais estreita, mas como esperado me ultrapassou, era mesmo mais veloz." Já Hamilton não estava feliz. "Esperava mais."

Outro destaque foram os primeiros pontos de Bruno Senna, da Renault, com o nono lugar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.