Vettel prova: o piloto faz diferença

Alemão repete na China o que fizera em Monza em 2008 e confirma ser um dos novos talentos da categoria

Lívio Oricchio, O Estadao de S.Paulo

20 de abril de 2009 | 00h00

Monza, 2008: primeira vitória e pole position da modesta equipe Toro Rosso. Circuito de Xangai, ontem: a Red Bull também comemorou sua primeira vitória na Fórmula 1, assim como havia feito sábado com a pole position. Principal ponto em comum entre e os dois times nessas provas: o piloto. O notável alemão Sebastian Vettel, de 21 anos, certamente um campeão em potencial. Autor das duas históricas conquistas.   Podcast: ouça o comentário de Livio Oricchio sobre o GP da China Vettel foi o personagem principal do GP da China, disputado sob chuva intensa, ontem, a ponto de começar com o safety car liderando o pelotão dos carros. As condições de visibilidade e aderência eram tão difíceis que, ao final das 56 voltas, quase todos os demais 19 pilotos cometeram algum erro, senão muitos, como o atual campeão, Lewis Hamilton, da McLaren, que rodou cinco vezes antes de terminar em sexto. Um piloto porém, dentre os menos experientes, mas no grupo dos mais capazes, não cometeu um único deslize: Vettel. E ainda há os que defendem que esses profissionais já não fazem diferença na Fórmula 1."Hoje não dava para lutar contra esses caras", disse, resignado, Jenson Button, da Brawn GP, 3.º colocado e vencedor das duas primeiras etapas, na Austrália e Malásia. Ele se referia também a Mark Webber, companheiro de Vettel, 2.º colocado. A Red Bull estreou na Fórmula 1 em 2005 e na 74.ª participação no Mundial venceu pela primeira vez e com dobradinha. "Conseguimos a pole mesmo podendo dar apenas uma volta em cada sessão do treino. Mas nossa equipe realizou um trabalho excepcional", falou Vettel. Um problema na lubrificação dos semi-eixos, que se rompiam, limitou o piloto na definição do grid. "Eles trabalharam muito para resolver e não só me deram um carro resistente como muito rápido", disse.Vettel e Webber sabiam que teriam de ser velozes no começo, porque fariam o primeiro pit stop antes de Button e Rubens Barrichello, a dupla da Brawn. Quando o safety car saiu da pista autorizando o início da disputa, na 8.ª volta, nem os próprios pilotos da Red Bull imaginavam que poderiam impor aquele ritmo. "Tudo bem que por estar em primeiro eu não tinha a cortina de água dos outros na minha frente, mas o RB005 estava fantástico também", disse Vettel. A dupla da Red Bull foi auxiliada pela parada nos boxes prematura de Fernando Alonso, da Renault, segundo no início. Ainda na sétima passagem, com o safety car acionado, o espanhol fez o pit stop e caiu para último. "Achamos que o safety car permaneceria bem mais tempo na prova e, assim, quando todos parassem eu me manteria na pista e ganharia muitas posições." Funcionou ao contrário. Button tentava ganhar a 3.ª colocação de Rubinho, o que conseguiu na 10.ª volta por conta de uma breve saída de pista do companheiro, já com dificuldades nos freios. Nas demais posições as lutas eram ferozes, como entre Kimi Raikkonen, da Ferrari, e Hamilton, pelo 6.º lugar. A essa altura, Felipe Massa apresentava desempenho espetacular, a ponto de, na 20.ª volta, ser 3.º depois de largar em 13.º. A seguir, abandonou com pane elétrica. Timo Glock, da Toyota, também superava um a um, mesmo largando dos boxes, e já estava em nono na 15.ª volta. Acabou em 7.º.Ferrari e McLaren assistiam de longe Red Bull e Brawn se distanciarem dos adversários. Vettel recebeu a bandeirada com 10 segundos de vantagem para Webber e 44 segundos na frente de Button. Sua pole sábado e vitória ontem rompem a série de conquistas seguidas de Button e da Brawn. "Meus pneus não atingiam a temperatura ideal", falou Button."Ainda que a chuva tenha alterado as condições da disputa, o GP da China deixou a lição de que é possível vencer a Brawn", comentou Flavio Briatore, diretor da Renault. A dobradinha da Red Bull ainda colaborou para a Brawn não disparar na classificação. Com a estreia dos novos carros, com aerodinâmica semelhante à de Brawn, Toyota e Williams, principalmente a partir do GP da Espanha, dia 10, haverá maior concorrência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.