Vettel reclama de novo da falta de sorte

Vettel reclama de novo da falta de sorte

Assim como na primeira prova do ano, alemão lidera durante boa parte da prova e enfrenta problemas mecânicos

, O Estadao de S.Paulo

29 de março de 2010 | 00h00

MELBOURNE

O alemão Sebastian Vettel, da Red Bull, estava inconsolável ao regressar aos boxes, na 26.ª volta da corrida, depois de abandoná-la na liderança. Em Bahrein, duas semanas antes, não deixou a prova, mas perdeu rendimento e caiu de primeiro para quarto. "Vi faíscas na roda dianteira esquerda na volta anterior. Pensei em parar nos boxes", disse. Ele poderia ser o líder do Mundial com duas vitórias, mas soma 12 pontos e está em 7.º.

"De repente senti forte vibração no carro e, ao frear na curva 13, quebrou alguma coisa, rodei e fui parar na caixa de brita", prosseguiu. "É difícil aceitar perder duas corridas que estavam nas minhas mãos." Há quem acredite, também, que Vettel rodou por ousar quando caíram alguns pingos de chuva, como foi registrado pela câmara do carro.

Ídolo local, o australiano Mark Webber mais uma vez demonstrou não ser piloto para uma equipe potencialmente campeã. Cometeu todo tipo de equívoco. No último, a duas voltas da bandeirada, tocou em Lewis Hamilton, da McLaren, que estava pronto para ultrapassar Fernando Alonso, da Ferrari, para ser quarto. Hamilton deu um show no GP da Austrália.

Webber foi advertido pela direção de prova. "Peço desculpas a Lewis, mas não estava satisfeito com o 6.º lugar, queria o pódio." Tinha carro para ganhar o GP, como teve em Bahrein (ficou em 8.º). O diretor esportivo da Red Bull, Christian Horner, comentou: "É frustrante ter a prova sob controle duas vezes seguidas e acontecer o que aconteceu." E completou: "Ficar em nono depois de ter os dois pilotos em primeiro e segundo é inaceitável."

É complexo conceber e um carro veloz e equilibrado como o RB6-Renault. Não é toda hora que se tem um projeto vencedor nas mãos. Nunca a conquista foi tão viável. Resta aos pilotos fazerem sua parte. /L.O.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.