Vettel reforça o favoritismo em Cingapura

Primeiro dia de treinos confirma força do piloto da Red Bull, embora não se possa descartar dupla da McLaren nem Alonso

LIVIO ORICCHIO / CINGAPURA, ENVIADO ESPECIAL, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2011 | 03h04

As vitórias em Mônaco e Valência este ano já davam a Sebastian Vettel, da Red Bull, elevadas possibilidades de ser primeiro no GP de Cingapura, amanhã, pista de rua também. E os treinos realizados ontem no belo circuito Marina Bay ratificaram seu favoritismo. Ele foi o melhor. Mas as duas sessões evidenciaram, da mesma forma, que a Ferrari, sobretudo com Fernando Alonso, pode ser a segunda força da corrida.

"Eles estão rápidos, em especial no ritmo de corrida'', reconheceu Vettel, referindo-se à equipe italiana. Ontem, Alonso registrou o segundo tempo, a 201 milésimos de Vettel, e caso ratifique hoje, na sessão que vai definir o grid, a boa adaptação da Ferrari ao circuito, a decisão do título deverá se estender para a etapa seguinte do campeonato, dia 9, em Suzuka, Japão. Felipe Massa também foi bem, com o quarto tempo.

A classificação do GP de Cingapura começa às 11 horas, horário de Brasília, 22 horas locais.

Tudo pode acontecer amanhã ao longo das 61 voltas, por ser uma das corridas mais desafiadoras fisicamente, pelo forte calor, alta umidade, ondulação do asfalto e quase duas horas de prova. Mas os indicativos do primeiro dia de atividades sugerem que a possibilidade maior é a definição do título ficar para Suzuka.

"É impressionante como a Ferrari foi veloz na simulação de corrida'', disse Jenson Button, da McLaren, chateado por perder a maior parte da segunda sessão. "Meu carro ficou atravessado e não consegui engatar a ré.'' Alonso confirmou: "Os pneus aqui são os supermacios e os macios. Nosso carro os aceita bem. Vamos estar bem mais fortes que na Bélgica e Itália'', afirmou.

A própria McLaren, diante das características do traçado asiático, é candidata a lutar pelo pódio, o que também colabora para o campeonato não acabar, apesar de Hamilton quase descartar a chance de concorrer com Vettel: "A diferença entre nós é muito grande. E suspeito que não é porque eles estejam com pouca gasolina''. Terceiro ontem, ele ficou a 741 milésimos de Vettel.

A vitória do alemão da Red Bull e o segundo lugar de Alonso transfere a decisão do título. E não se pode nunca desprezar a possibilidade de Mark Webber impedir a festa do companheiro - se terminar a corrida em segundo o campeonato não acaba.

Bruno Senna, da Renault, realizou ontem outro bom trabalho ao registrar o 12.º tempo dos primeiros treinos. Rubens Barrichello, Williams, foi o 15.º.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.