Vexame da Ferrari na estreia

Massa e Raikkonen abandonam a prova em Melbourne, vencida pela dupla Button e Barrichello, da Brawn GP

Livio Oricchio, MELBOURNE, O Estadao de S.Paulo

30 de março de 2009 | 00h00

Depois de realizar uma boa pré-temporada, a corrida da Ferrari, ontem, na Austrália, ficou abaixo da crítica. Felipe Massa abandonou na 45ª volta, de um total de 58, e Kimi Raikkonen também não terminou: saiu na 55ª. Bom para a dupla da Brawn GP. Jenson Button dominou a prova e chegou em primeiro. Rubens Barrichello recebeu a bandeirada em segundo. O problema de Massa foi a quebra da manga de eixo da suspensão dianteira esquerda, provavelmente em decorrência de um toque com Robert Kubica, da BMW, ainda na primeira curva depois da largada. "O carro passou a fazer curva para a direita enquanto à esquerda, não mais", explicou Massa. "Não disputamos uma boa prova; foi uma pena parar porque daria para ser quinto." Raikkonen parou nos boxes por causa da quebra do diferencial. Pouco antes havia errado e batido no muro.Sem poder acompanhar o ritmo da Brawn, Massa, seu engenheiro, Rob Smedley, e Luca Baldisseri, estrategista da Ferrari, estabeleceram o plano de três pit stops. "Mas o safety car entrou na pista (19ª volta) e destruiu minhas chances." A velocidade dos concorrentes surpreendeu Massa. "Aqui, a Red Bull estava melhor que nós, o que não aconteceu nos testes, e o Kubica (BMW) estava muito rápido também." Não há outra saída, segundo o piloto: "Trabalhar, trabalhar, melhorar o carro. Na Brawn não dá para chegar, mas nos demais, sim. Vamos esperar o GP da Malásia (domingo), um circuito normal e não de rua, para ter uma ideia do estágio de cada equipe." Quase todo mundo disse que Felipe Massa teria em Kimi Raikkonen um duríssimo concorrente. A má temporada de 2008 era coisa do passado para o finlandês. Mas ontem o campeão do mundo de 2007 não foi diferente do piloto do ano passado. "Errei, foi minha culpa." Na 54ª volta, perdeu o controle e bateu no muro. Nelsinho Piquet, da Renault, realizou bom trabalho enquanto esteve na pista. Largou em 14º com o carro mais pesado do grid (694,1 quilos), ganhou várias colocações com o acidente que envolveu na primeira curva Rubinho, Kovalainen, Webber, Nick Heidfeld (BMW) e Adrian Sutil (Force India), e ao final da primeira volta já era nono. "O carro estava muito difícil de pilotar, parecia que havia água no asfalto, não tinha aderência."O acidente de Kazuki Nakajima, na 17ª volta, exigiu a entrada do safety car na pista duas voltas mais tarde. Quando o safety car saiu, na 24ª, Nelsinho travou os freios no fim da reta dos boxes e acabou na caixa de brita. "Eu havia sinalizado pelo rádio problemas com os freios pouco antes", disse. "Pode ser que eu tenha superquecido o sistema na hora do safety car, mas o time está investigando."Nelsinho explicou que as diferenças nos tempos de volta entre ele e Fernando Alonso, na casa dos 5 décimos de segundo, decorreram de sua inexperiência e de a Renault privilegiar o espanhol. "Até eles acreditarem em mim será assim. Se tiver um motor com um pouco mais de potência ou peças novas para a aerodinâmica, vai para o Alonso."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.