Vice é acusado de pegar cheque de empresário

A uma semana da votação no Palmeiras, o terceiro vice-presidente e candidato a reeleição Gilberto Cipullo explicou ontem a origem de um cheque de um empresário de jogadores, no valor de R$ 200 mil, depositado em sua conta em abril. O cheque, divulgado ontem pelo portal iG, é assinado por Marcelo Ortiz, ex-procurador do zagueiro David.De acordo com o dirigente, a quantia foi repassada como forma de pagamento de um empréstimo que ele havia feito ao clube na época. A explicação do departamento financeiro é que se trata de uma câmara de compensação, uma operação triangular em que Cipullo aparece como credor final. A operação foi autorizada consta no balanço.Os R$ 200 mil de Ortiz referem-se à compra de 20% dos direitos econômicos do lateral Vinícius, do sub-20. O empresário já detinha 30% dos direitos antes de Cipullo se tornar diretor de futebol.O dirigente fez pelo menos outros quatro empréstimos ao Palmeiras, um deles de R$ 400 mil para bancar a contratação do volante Pierre, em maio de 2007. "Em nenhum desses empréstimos eu recebi um tostão de juros ou correção! Coloco dinheiro do bolso e agora levantam suspeitas contra mim? É absurdo", diz Cipullo.O dirigente diz que alguém quer prejudicá-lo na eleição. "Tenho 38 anos de advocacia e seria burro se tomasse comissão com cheque nominal. É óbvio que estão querendo me prejudicar." Marcelo Ortiz não respondeu aos recados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.