Reuters
Reuters

Vida da nadadora Joanna Maranhão vira documentário

Filme aborda trajetória da atleta e seus dramas pessoais

PAULO FAVERO, O Estado de S.Paulo

20 de agosto de 2015 | 07h00

A nadadora Joanna Maranhão vai ganhar um filme que contará a história de sua vida. A atleta tem sido acompanhada em diversos lugares por uma equipe de filmagem e está animada com o projeto. “É um documentário sobre a minha vida. Sei que sou muito aberta, mas vai permitir que as pessoas conheçam ainda mais sobre mim."

Nesta quarta-feira, ela ganhou a medalha de ouro nos 400 m medley e no revezamento 4 x 200 m livre no Troféu José Finkel, que está sendo disputado na nova piscina do Clube Pinheiros. A equipe da Rec Produtores acompanhou a atleta e fez novas imagens para o filme. “Tivemos o projeto selecionado na Memória do Esporte Olímpico Brasileiro e já temos mais de dez horas de filmagem”, conta Chico Ribeiro, sócio da produtora.

A história de Joanna passa por abusos que sofreu na infância, superação nas piscinas, crises e até tentativa de suicídio. Mas ela conseguiu passar por todas as dificuldades e mantém uma personalidade forte, por vezes polêmica, porque não abre mão de seus princípios. “Está ficando bem bacana. Terá uma duração de 26 minutos e a princípio se chamará ‘O nado de Joanna’. Vamos retratar a história dela, com altos e baixos”, continua Ribeiro.

Joanna tem o melhor resultado de uma mulher brasileira nos Jogos Olímpicos. Ela ficou em quinto lugar nos 400 m medley em Atenas/2004. “Fizemos uma pesquisa grande nos arquivos. Depois desta competição, ela vai tirar férias, mas vamos acompanhá-la no Recife. O documentário ficará pronto no próximo mês”, diz Ribeiro.

ESTRELAS

No terceiro dia de competições, outros nomes badalados da natação brasileira venceram suas provas. Bruno Fratus mais uma vez nadou os 50 m livre abaixo dos 22 segundos e ficou com o ouro. “Foi bom, estou feliz e esse resultado dá confiança”, afirmou o atleta, que fez 21s89. Etiene Medeiros fez 25s18 na mesma prova e venceu no feminino. “Venho de competições importantes, estou com algumas dores, e queria ter nadado melhor.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.