Vila não consegue ver gol nem de pênalti

Santos não tira proveito da expulsão do artilheiro Jonas, Zé Eduardo perde pênalti e time amarga o 0 a 0 com o Grêmio

Marcon Beraldo, O Estado de S.Paulo

14 de novembro de 2010 | 00h00

Com a determinação de quem queria afastar a fase irregular, mas sem contar com seu principal jogador, Neymar, suspenso. O Santos resolveu também mostrar serviço para o novo treinador, Adilson Batista, que assistiu ao jogo pela televisão. E foi beneficiado pela expulsão do artilheiro Jonas, no primeiro tempo, por dar cotovelada em Adriano. Mas não conseguiu sair do 0 a 0 com o Grêmio, ontem à noite, na Vila Belmiro.

Antes do jogo, os dois técnicos demonstraram qual seria a motivação dos times. "Como o Santos já está classificado para a Taça Libertadores, para nós será interessante eliminarmos o Grêmio da competição hoje (ontem) mesmo", disse o técnico interino Marcelo Martelotte. Já o treinador do Grêmio, Renato Gaúcho, que exaltou o desempenho do seu time no segundo turno do Campeonato Brasileiro, rebateu de primeira. "Eles vão fazer o seu papel, nós vamos fazer o nosso. Para nós, a Taça Libertadores da América começa hoje", disse o treinador, que deu graças a Deus pela ausência de Neymar.

O jogo foi equilibrado nos primeiros minutos. As duas equipes arriscaram chutes de fora da área, mas sem direção certa. O principal lance da etapa foi mesmo a expulsão de Jonas, o artilheiro do campeonato, aos 18 minutos, depois de uma acirrada disputa de bola com Adriano, na qual o atacante gremista acertou cotovelada no adversário.

A partir desse lance, o Santos cresceu na partida. E sua melhor chance foi aos 37 minutos, com uma cabeçada do zagueiro Durval rente à trave direita do goleiro Victor, que ficou parado, só torcendo.

Para os jogadores santistas, o domínio do time da casa foi total. "Mas precisamos marcar o gol", disse o zagueiro Durval. "Consegui marcar bem, mas faltou o gol", declarou o volante Adriano. "Nosso time foi bem, mas precisa sair o gol", disse o atacante Zé Eduardo. "A equipe deles é forte, é preciso ficar atento", recomendou o goleiro Rafael.

Ao entrar na segunda etapa, no lugar do volante Roberto Brum, Alan Patrick antecipou. "Vou atacar pela esquerda. Com o Grêmio está com um a menos, temos de impor nosso ritmo de jogo", afirmou, não escondendo sua satisfação pela expulsão de Jonas, na etapa inicial.

Só que o Santos não correspondeu à expectativa de quem imaginava que o time pressionaria o adversário desde o início. E a primeira chance de gol, inclusive, foi do Grêmio, com André Lima obrigando Rafael a fazer uma boa defesa, aos 11 minutos.

O jogo se arrastava quando Zé Eduardo fez jogada individual e foi derrubado dentro da área por Rafael Marques: o próprio atacante cobrou o pênalti, mas o goleiro Victor defendeu no canto direito. O time santista se abateu e no final quem teve a chance para vencer foi o Grêmio: mas Júnior Viçosa chutou para fora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.