Virna vai para o vôlei de praia

Uma das maiores atacantes do vôlei feminino brasileiro, a ponta Virna anunciou hoje que deixará de lado as quadras para atuar na praia. Apesar de ainda não ter escolhido uma parceira, a atleta medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Atlanta, em 1996, e Sydney, em 2000, já contratou o técnico Alemão para fazer sua adaptação às areias. "Esse projeto aconteceria até 2006. Mas, quando vim no início do ano me recuperar de uma contusão no joelho e realizei exercícios na praia fiquei muito a fim", explicou Virna, que até abril disputou a Liga Italiana Feminina de Vôlei pelo Palavollo Chieri e terminou a competição em terceiro lugar. "Como já tinha cumprido meu ciclo de 15 anos na seleção, falei: estou precisando de uma coisa nova." Aos 33 anos, Virna deixa para trás um currículo invejável no vôlei de quadra e segue os passos de outras duas ´musas´ do esporte, Ana Paula e Leila. O recomeço não assusta a atleta que demonstrou motivação, mesmo prevendo que precisará de aproximadamente seis meses para se adaptar à nova modalidade. Quanto aos objetivos Virna foi clara: quer participar dos Jogos Pan-Americanos de 2007, no Rio, e da Olimpíada de 2008, em Pequim. E deseja competir com chances de ser a campeã, por isso, a tarefa em procurar uma parceira se torna mais árdua. "Minha primeira preocupação foi a de contratar um técnico. Estou na paquera de alguns patrocinadores e agora preciso saber quais serão minhas principais característica na praia para escolher a parceira", afirmou Virna, que também ostenta no currículo a inédita conquista do tetracampeonato do Grand Prix, em 1994, 1996, 1998 e 2004, pela seleção, equipe que se despediu durante os Jogos de Atenas, onde terminou na quarta colocação. "Neste início vou trabalhar minha condição física. Sei que na praia será tudo diferente da quadra, mas estou com muita disposição e vontade." Virna afirmou que até o final do ano planeja fazer um jogo de despedida. Seu objetivo é o de poder reunir em um ginásio as amigas, técnicos e fãs conquistados ao longo de 20 anos de dedicação ao vôlei de quadra, como uma forma de agradecimento. "Vai ser bacana reencontrar todo mundo e espero que os fãs aceitem minha nova opção. Até porque estou pisando em um lugar que não sei o que vai dar, mas minha vida sempre foi marcada por superar desafios", finalizou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.