Vitória de Mickey Rourke estava armada, diz tabloide britânico

De acordo com Daily Mail, Elliot Seymour, derrotado no segundo round pelo ator 33 anos mais velho, vive nas ruas da Califórnia

O Estado de S. Paulo

01 de dezembro de 2014 | 09h46

A luta entre Mickey Rourke e Elliot Seymour ainda deve causar muitas polêmicas. Na noite deste domingo, o jornal britânico Daily Mail publicou reportagem em que afirma que a luta de boxe profissional, realizada na última sexta-feira em Moscou, foi armada para o ator norte-americano ganhar no ringue.

De acordo com fontes próximas à família de Elliot Seymour e ouvidas pelo tabloide inglês, o adversário atualmente encontra-se sem-teto e foi pago para lutar na Rússia e perder para o ator de 62 anos. "Foi claramente uma luta armada. Os dois indo para as cordas, com as mãos para baixo, os socos não estavam entrando e eles estavam batendo nas luvas um do outro de forma intencional".

No entanto, o periódico não revela quanto Seymour recebeu para perder a luta. De acordo com fontes, o lutador, que possui apenas uma vitória e dez derrotas em seu cartel, vive em um parque em Pasadena, próximo de Los Angeles.

A luta gerou polêmicas ainda durante o evento pela facilidade com que Rourke bateu o adversário, 33 anos mais novo, no segundo round, por nocaute. "Um dos repórteres que cobriam a luta disse que teria sido melhor pegar alguém que estava dormindo no metrô e que teria sido um adversário melhor."

A reportagem informa que Rourke não sabia que estava participando de armação. Mesmo assim, a insatisfação também ocorre na Wild Card, academia onde o ator vinha treinando para o combate. "A luta foi uma piada. Mickey precisa parar de fingir. Ele nunca foi muito bom e deve apenas atuar. É uma espécie de embaraço realmente. Mickey lança socos tão lentos que um garoto poderia evitá-los", afirmou um informante que trabalha no ginásio de boxe.

Tudo o que sabemos sobre:
boxelutasmickey rourkeelliot seymour

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.