Vitória na raça reanima Palmeiras

Equipe bate a LDU por 2 a 0, no Palestra Itália, e vai ao Chile, na última rodada, com chances de classificação

Daniel Akstein Batista, O Estadao de S.Paulo

22 de abril de 2009 | 00h00

Está lá num dos cânticos da torcida: "A Taça Libertadores é obsessão, tem que jogar com a alma e o coração." No ritmo da música, o Palmeiras driblou a catimba adversária e seus próprios erros para, com muita raça e determinação, fazer 2 a 0 na LDU, chegar aos 7 pontos no Grupo 1 e poder viajar para Santiago, na semana que vem, com boas chances de se classificar para as oitavas de final, contra o Colo Colo, na última rodada da fase de grupos.A derrota para o Santos no sábado ainda trazia sequelas no time. Com a perda da vaga na final do Estadual, a pressão nos jogadores aumentou e alguns entraram em campo sob vaias da torcida, como Fabinho Capixaba e até o artilheiro Keirrison. O meia Diego Souza foi um dos mais ovacionados, ao lado do volante Pierre.O Palmeiras ainda não havia conseguido conquistar os três pontos atuando no Palestra pela fase classificatória. A decepção veio na derrota para o Colo Colo, em março, e no empate com o Sport, na semana passada. Ontem, conseguiu fazer valer o fator casa para seguir com o sonho de conquistar o segundo título da competição - o primeiro ocorreu em 1999.Raça e garra não faltam ao elenco. Se às vezes a habilidade fica de fora, sobra determinação. Os erros, porém, continuam aparecendo. Vanderlei Luxemburgo precisa descobrir o que fazer pelo lado direito - Capixaba não acerta nenhum cruzamento e perde bolas fáceis. Deixou o campo no intervalo para a entrada de Marquinhos, que depois foi expulso ao se estranhar com Bolaños - que também levou o vermelho.O time teve dois momentos distintos. O do primeiro tempo, em que falhou muito nos toques de bola, irritou a torcida em alguns lances, viu Willians Araújo acertar sua trave e em outros tirou dela gritos de ?uhhhh? (Cevallos fez difíceis defesas em chute de Keirrison e Capixaba). E o do segundo, em que partiu para cima, balançou as redes e tirou sorriso de quem compareceu ao estádio.Logo aos dois minutos, Cevallos falhou feio e Marcão se esticou para anotar seu primeiro gol desde que chegou ao clube, no começo do ano.Foram poucos lances de perigo. A LDU, na etapa inicial, entrou com a proposta de irritar o rival, enrolar na saída de bola e apostar nos contra-ataques. Com o placar desfavorável, só restava conseguir a virada para seguir com chances de classificação. Não obteve sucesso, e a derrota a eliminou do torneio.A festa verde não estaria totalmente consolidada não fosse o gol de um dos jogadores que mais se identificaram com a torcida nas últimas partidas. De falta, Diego Souza deixou sua marca, aos 37.No quase lotado Palestra Itália, os cantos continuaram até depois do apito final. Hoje, se o Sport golear o Colo Colo por quatro ou mais gols de diferença, o Palmeiras poderá jogar a rodada final por um empate. Para quem perdeu as duas primeiras partidas e foi considerado eliminado, conseguiu dar a volta por cima. Resta, agora, o último e decisivo jogo. FRASESMarcosgoleiro do Palmeiras"Vai ser importante ter uma semana livre (até o jogo contra o Colo Colo) para treinar a parte tática"''Assim como não ficamos tristes do outro jogo (a derrota para o Santos) pra esse, não podemos ficar agora muito alegres"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.