Vitória perfeita deixa Vettel a um ponto do bi

Alemão da Red Bull vence em Cingapura. Carro e equipe excepcionais ajudam piloto a brilhar da largada à bandeirada

LIVIO ORICCHIO / CINGAPURA , ENVIADO ESPECIAL, O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2011 | 03h05

A vitória irretocável de Sebastian Vettel, da Red Bull, ontem, no pouco emocionante GP de Cingapura, o deixou numa condição tão favorável para conquistar o bicampeonato em Suzuka, no Japão, no dia 9, palco já de dez decisões de título na Fórmula 1, que o mais difícil é esse talentosíssimo e humilde alemão de 24 anos não definir a conquista na próxima etapa.

Se em 14 provas disputadas, este ano, Vettel venceu nove, classificou-se em segundo em quatro, e obteve uma quarta colocação - o único não-pódio da temporada foi justo na Alemanha -, o desafio de somar um único ponto nas cinco etapas que restam chega a provocar risos nos adversários. Mas o piloto da Red Bull está tão maduro, tão pé na terra que comentou, depois do banho de champanhe: "Ainda tenho de chegar lá e conquistar esse ponto".

Mas pode ser que mesmo sem terminar nenhuma das cinco corridas fique, ainda, com o título. Basta o combativo Jenson Button, da McLaren, excelente segundo ontem, único com longínquas chances matemáticas de ser campeão, não vencer o GP do Japão. O campeonato só não acaba em Suzuka se o inglês da McLaren ganhar a corrida e Vettel, num circuito perfeito para a Red Bull, não somar pontos.

Com a competência que o caracteriza este ano e um carro e uma equipe excepcionais, o virtual bicampeão do mundo se impôs, ontem, da largada à bandeirada na única etapa noturna do Mundial. "A entrada do safety car não ajudou, lógico, pois anulou a vantagem de 20 segundos que possuía para Jenson. Mas consegui depois abrir a mesma diferença de um segundo por volta do começo da corrida", disse, rindo. "Amo este lugar, considero vencer aqui um desafio, estou feliz e orgulhoso", comentou Vettel.

Não era um despiste. A impressionante vantagem técnica do modelo RB7-Renault da Red Bull, ontem, em relação ao MP4/26-Mercedes da McLaren, ao longo da maior parte das 61 voltas da corrida, foi mesmo de um segundo. A Ferrari não participou dessa luta. Apesar da combatividade, como sempre, Fernando Alonso recebeu a bandeirada em quarto. "Vou tentar muito ser vice-campeão. essa é a minha motivação", afirmou o espanhol.

Felipe Massa, também da Ferrari, obteve o nono lugar e criticou duramente Lewis Hamilton, da McLaren, que tocou no seu carro e o obrigou a um pit stop extra para substituir o pneu traseiro esquerdo (veja mais abaixo). O inglês recebeu um drive through de punição, mas foi para cima dos concorrentes, acabou ajudado pelo safety car e terminou, ainda, em quinto. Rubens Barrichello, Williams, foi 13.º e Bruno Senna, Renault, 15.º.

Com a vitória, Vettel chegou a 309 pontos diante de 185 de Button, 184 de Alonso e 182 de Mark Webber, companheiro de Vettel, terceiro colocado, ontem.

O safety car neutralizou o GP de Cingapura da 29.ª a 33.ª volta em razão de um erro de avaliação de Michael Schumacher, da Mercedes, ao tentar ultrapassar Sergio Perez, da Sauber. Bateu forte, mas sem se ferir. "Sérgio tentou fechar a porta, deslocou-se para a parte de dentro e freou. Esperava que não fosse tão cedo." A Mercedes chegou a decolar por alguns metros e depois colidiu contra a barreira de proteção de frente. "Foi mais espetacular para quem estava do lado de fora. Não sofri nada", disse Schumacher.

Button, segundo colocado, aproveitou-se do tempo perdido por Vettel nas últimas voltas com os retardatários, depois do terceiro pit stop, a 13 voltas do fim, para tentar um ataque. Vettel comentou: "Eu tinha a prova sob controle. Se tivesse pista livre poderia abrir novamente boa vantagem".

Jenson confirmou ser mesmo impossível superar a Red Bull no GP de Cingapura. "Mas se observamos que cheguei a 1,7 segundo de Sebastian e perdi, só numa volta, atrás de Kamui Kobayashi (Sauber), 4 ou 5 segundos, por que não pensar (em vitória)?"

Webber completou o pódio em outra prova apagada. Largou em segundo. Na sexta-feira, falou sobre a enorme diferença de desempenho para Vettel: "Ele se adaptou melhor que eu às características do pneu Pirelli. No ano passado (pneus Bridgestone) nosso ritmo era bem mais semelhante."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.