Robert Hanashiro / USA Today Sports
Robert Hanashiro / USA Today Sports

Viúva de Kobe Bryant, morto há um ano, revela que perda 'ainda não parece real'

Vanessa Bryant usou as redes sociais para compartilhar carta escrita por uma amiga de Gianna, filha do casal que também faleceu no acidente

Redação, Estadão Conteúdo

26 de janeiro de 2021 | 12h20

Nesta terça-feira, o acidente de helicóptero que causou a morte de Kobe Bryant, um dos maiores jogadores da história do basquete e outras sete pessoas - incluindo a filha de Kobe, Gianna Bryant, de 13 anos - completa um ano. A viúva do ex-jogador, Vanessa Bryant, usou as redes sociais para compartilhar uma carta escrita por uma amiga de Gianna. Na publicação, Vanessa destacou a saudade que sente de Kobe e Gigi e afirmou que o episódio "ainda não parece real". A carta, escrita por Aubrey Callaghm, exalta a "incrível" Gianna.

"Hoje recebi esta doce carta de uma das melhores amigas de Gianna, Aubrey. Muito obrigada por compartilhar lindamente algumas das suas memórias da minha Gigi comigo e me permitir compartilhá-las aqui. Minha Gigi é incrível e realmente aprecio sua tocante carta. Ela te ama muito. Também sinto muita falta da minha garotinha e do Kob-Kob. Eu nunca vou entender por que/como essa tragédia pode ter acontecido com seres humanos tão bonitos, gentis e incríveis. Ainda não parece real. Kob, fizemos certo. Gigi, você ainda deixa a mamãe orgulhosa. Eu te amo!", escreveu Vanessa em seu Instagram.

Além de Kobe e Gianna, os outros passageiros eram John Altobelli, Keri Altobelli, Alyssa Altobelli, Sarah Chester, Payton Chester, Christina Mauser e Ara Zobayan (piloto). Todas as vítimas tinham ligação com a família do astro da NBA. Antes da tragédia em Calabasas, na Califórnia, estavam a caminho de um jogo de basquete em Thousand Oaks, no centro de treinamento Mamba Academy, construído pelo ex-jogador.

Um ano após a tragédia, Vanessa segue na justiça cobrando a indenização da Island Express Helicopters, empresa responsável pelo voo. As famílias das vítimas cobram a responsabilidade da companhia, enquanto que a defesa do piloto Ara Zobayan alega que a culpa da queda do helicóptero foi dos passageiros, que insistiram em voar apesar do alerta sobre as difíceis condições de voo daquele dia.

Em fevereiro do ano passado, foi apontado "causa acidental" como motivo do acidente. A autópsia detectou que  Zobayan estava sóbrio e que não houve falha mecânica. Um relatório final sobre o acidente deve ser publicado em fevereiro deste ano, quando se encerram as investigações.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.