Vôlei: Assinado convênio Brasil-Itália

"Um acordo para Brasil e Itália se manterem no topo do vôlei mundial". Assim resumiu o presidente da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV), Ary Graça, a carta de intenções assinada com o presidente da Liga Italiana Masculina de Vôlei, Diego Mosna, nesta quinta-feira à tarde, na sede da entidade, no Rio de Janeiro (RJ). Entre os compromissos firmados está o de não se contratar atletas com idade inferior a 23 anos. "Temos um interesse mútuo de nos mantermos no topo, porque os russos estão vindo aí", disse o presidente da CBV, referindo-se a medalha de bronze conquistada pela Rússia nos Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004 - o Brasil foi ouro e, a Itália, prata. "Estamos nos protegendo e ajudando. Eles têm a técnica e a tática. Nós, o condicionamento físico". O objetivo da medida é o de não prejudicar a formação do atleta, principalmente do Brasil.O presidente da Liga Italiana foi quem elaborou a proposta, que ainda prevê a cooperação técnica entre os dois países. Além de gerir o campeonato masculino da Itália, Mosna é dono do Trentino, equipe do brasileiro André Eller. "Gostei da idéia do Ary (Graça) e vamos tentar conciliar os calendários de Brasil e Itália para viabilizarmos partidas entre nossas equipes", disse o presidente da Liga Italiana. O dirigente brasileiro sugeriu que em 2006 os campeões nacionais de ambos países se enfrentem em um total de duas partidas: uma na Itália e outra no Brasil. Mosna ainda visitou ainda o Centro de Treinamento da Seleção, em Saquarema, região dos Lagos, no Rio de Janeiro, e se mostrou "encantado" com o local.Após o acordo com a Liga Masculina, a intenção agora é a de também celebrar um convênio com as mulheres. Na Itália, os campeonatos nacionais masculino e feminino possuem diferentes entidades em sua gestão. Caberá a Mosna a tarefa de aproximar a CBV e os dirigentes responsáveis pela competição entre as atletas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.