Vôlei elimina prova de verificação de sexo

O vôlei vai abolir a prova de verificação do sexo dos esportistas, mas não aceitará os transexuais nas competições. A Federação Internacional de Vôlei (Fivb) eliminará a exigência da chamada "carteirinha rosa" para as mulheres, de verificação do sexo das jogadoras, alegando que o custo do exame, feito através da saliva, é muito alto para os organizadores das competições. E também não ter encontrado mais de um caso polêmico ao longo dos últimos dez anos. O presidente da Fivb, Ruben Acosta, disse, inclusive, que o registro encontrado foi o da brasileira Érika, "comprovado pelo médico de que não se tratava de um caso de masculinidade". Após tratamento para a correção de uma disfunção física, a jogadora segue jogando normalmente, acrescentou o dirigente. A exigência de comprovação de sexo será eliminada, a menos que o Congresso da Fivb, marcado para maio, em Portugal, decida mantê-la. Mas a Fivb insiste que não aceitará transsexuais nas competições nacionais e internacionais, nem mesmo diante da defesa dos suecos. "Apesar da insistência dos suecos que se permite em nome dos direitos humanos e da liberdade dos indivíduos, mas há direitos humanos que são abusos humanos", disse o mexicano, que se eterniza a décadas na direção da Fivb.

Agencia Estado,

28 de janeiro de 2004 | 19h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.