Vôlei masculino: a vitória como prioridade máxima

A seleção brasileira masculina de vôlei foi protagonista de uma situação curiosa na Pesquisa Estado 2010. A conquista do tricampeonato mundial em outubro, na Itália, foi escolhida como o fato marcante do esporte brasileiro na temporada. Não foi, porém, a única votação expressiva recebida pela equipe comandada por Bernardinho na enquete. A polêmica derrota para a Bulgária durante a competição, chamada de "o jogo da vergonha", ficou em terceiro lugar, atrás da eliminação da seleção brasileira de futebol nas quartas de final da Copa do Mundo da África do Sul.

Valéria Zukeran, O Estado de S.Paulo

26 de dezembro de 2010 | 00h00

O Brasil encontrou um cenário desfavorável em sua chegada à Itália para defender o título mundial conquistado no Japão quatro anos antes. O regulamento da competição previa um número maior de deslocamentos para as equipes que liderassem seus grupos nas etapas classificatórias, o que gerou resultados "estranhos" nas primeiras rodadas do torneio - os EUA, atuais campeões olímpicos, levaram 3 a 0 da República Checa, por exemplo.

Ao mesmo tempo, o time brasileiro tinha problemas: o levantador Marlon teve uma colite, doença inflamatória intestinal, diagnosticada cerca de uma semana antes da estreia da seleção. Outros atletas apresentaram problemas físicos, embora de menor gravidade, e reclamavam de um tratamento hostil por parte dos italianos.

Coube a Bernardinho gerenciar uma situação delicada que chegou ao ápice na partida contra a Bulgária, última rodada da segunda fase: o time já estava classificado para a etapa seguinte e, se perdesse, evitaria uma viagem extra para Florença antes da final da competição, em Roma. Bruno, o único levantador do time, foi poupado. Em quadra, a seleção foi derrotada por 3 sets a 0. Saiu sob vaias dos espectadores.

O resultado surtiu o efeito desejado: a equipe viajou diretamente para a capital, Roma. A semifinal foi uma tensa partida contra os italianos na qual o Brasil dominou o adversário e, com vitória por 3 sets a 1, garantiu a disputa do título contra Cuba. O último jogo foi mais tranquilo do que o anterior e, ao ganhar por 3 sets a 0, o Brasil sagrou-se tricampeão mundial (2002, 2006 e 2010), igualando o feito da Itália (1990, 1994 e 1998) e consolidando sua posição de destaque no cenário internacional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.