Vôlei: Minuzzi venceu o maior desafio

O atacante Roberto Minuzzi, de 24 anos, pode dizer, sem titubear, que venceu o maior de todos os desafios. Depois de 6 meses de recuperação, recebeu carta branca para voltar a jogar vôlei. No peito, guarda a cicatriz da operação que pôs sua vida em sério risco. A marca é conseqüência da cirurgia por que passou em junho, quando corrigiu um aneurisma na aorta. Na prática, teve uma parte da maior artéria do corpo humano extirpada e, em seu lugar, colocada uma prótese artificial.?Imagine passar do auge físico para a condição de doente?, relembra o atacante do Minas, que descobriu a doença ? ainda sem causa conhecida ? quando se preparava para disputar a Liga Mundial. ?Só 45 dias depois da operação pude deitar de lado. Antes, dormia meio sentado, para não atrapalhar a cicatrização?, disse Minuzzi, que tem 2,05 m.Nos últimos 6 meses, dividiu-se entre Canoas (RS) ? onde vive a família ? e São Paulo, local do tratamento. ?Isso porque jogo em Minas e fui descobrir meu problema no Rio?, diverte-se. Há duas semanas, voltou a Belo Horizonte. ?Descobri que tinha uma cidade torcendo por mim. Do taxista ao dono da padaria, todos disseram que rezaram pela minha saúde.? A maior prova de amor dos mineiros veio terça-feira, quando Ulbra e Minas ? por coincidência, os dois times que Minuzzi defendeu ? abriram a Superliga. ?O ginásio inteiro gritou meu nome. Foi uma emoção enorme?.Não maior, porém, que a do último jogo da Série B do Brasileiro, entre Grêmio e Náutico. ?Foi o maior teste depois da operação?, brinca. A emocionante rodada que deu o título aos gaúchos fez até Minuzzi ligar para o médico, preocupado. ?Meu coração foi até a boca, chorei e não senti nada. O médico do Minas disse: ?Era o o teste que queríamos fazer com você, mas não sabíamos como?.?Tudo na trajetória de Minuzzi tem sido meteórico. Até 1998, nunca tinha jogado vôlei. Em 2003, estreou na Superliga, pela Ulbra. Titular da equipe campeã, foi considerado revelação e melhor atacante da competição, prêmio que receberia outras duas vezes. Agora, prefere ser cauteloso antes de entrar em quadra, mostrando a todos que sua volta tem sido corretamente articulada. ?Vamos mandar relatórios para o Conselho de Medicina, Ministério Público e especialistas no exterior?.Considerado uma das maiores esperanças do vôlei nacional ? é uma das apostas de Bernardinho para Pequim/2008 ? e substituto à altura de Giovane, Minuzzi não tem pressa. Sabe que um belo futuro o espera. ?Estou muito próximo de voltar ao vôlei, não importa como. Estou no 24 a 23. Falta só um pontinho para fechar o set?.

Agencia Estado,

11 de dezembro de 2005 | 09h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.