Vôlei: Osasco tenta manter rendimento

Se José Roberto Guimarães, técnico da Finasa/Osasco e da Seleção Brasileira Feminina de Vôlei, já estava preocupado com o calendário apertado da temporada, os problemas só aumentaram com a contusão de Paula Pequeno, das duas equipes. Hoje, às 20h, pela Superliga, o treinador terá dois desafios: manter a invencibilidade do time de Osasco e, para isso, conseguir que suas jogadoras superem a ausência da atacante. Líder da Superliga Feminina, Osasco recebe Macaé às 20h, no Ginásio Municipal José Liberatti.Zé Roberto está apreensivo: "O time já estava todo encaixado e a Paula, evoluindo muito. Acho que vou manter a equipe como no jogo anterior, alternando a Mari e a Bia na posição da Paula. Macaé é um time que deu trabalho para vários outros, como Açúcar União/São Caetano e Pinheiros. Se mantivermos a primeira posição, Macaé pode ser nosso adversário nas quartas-de-final."O técnico explica: "A Paula é uma jogadora que passa e ataca. Não existem muitas dessas no Brasil. Além disso, é forte no bloqueio. Não sei como a equipe vai reagir sem ela, porque a Paula passa muita positividade e é guerreira, sempre com sorriso no rosto."A ausência de Paula nos Jogos Olímpicos de Atenas, em agosto, será outro problema para a Seleção, que já tem a desvantagem de treinar menos do que as Seleções européias e da China. "Claro que ela vai fazer muita falta, mas é cedo para se falar em convocação. Já sabemos que não vamos trabalhar da maneira que eu esperava. A intenção era trabalhar com 16 atletas, mas vamos ter 14 mesmo. O tempo é curto", reclama Zé Roberto.Paula, de 22 anos, ainda está abalada com a contusão. Segundo Érika, se não houvesse se machucado Paula desfilaria no Carnaval pela Gaviões da Fiel.José Elias de Proença, o preparador físico da equipe de Osasco e também da Seleção, diz: "Ela não quer ficar lembrando o que aconteceu, mas está vindo fazer fisioterapia aqui no ginásio." Conta que Paula estava muito bem preparada fisicamente. "Em 2003, ela fez uma Superliga de muita potência muscular. Este ano perdeu um pouco disso porque ganhou massa gorda. Só que aos poucos retomou o melhor jogo e estava muito bem. Foi uma pena. Amanhã (hoje), tem uma consulta e vou acompanhá-la. Como o joelho que machucou está muito inchado, precisará esperar voltar ao normal para passar pela cirurgia."A psicóloga Marisa Markunas, que trabalha para a equipe de Osasco, diz que a jogadora deverá passar por trabalho mais intenso. "Há seis anos acumulo conhecimento de lidar com atletas contundidas. Infelizmente. Um exemplo foi a Jaqueline, que está voltando agora. Tudo tem seu tempo e as coisas ainda estão muito frescas para ela", conta. Quanto à reação do grupo, a psicóloga resume: "O desafio é suprir a ausência da Paula. Qualquer mudança nesse nível desestabiliza uma equipe."A Superliga Feminina terá mais três partidas nesta quinta-feira, todas às 20h: Pinheiros e ACF/Campos; Rexona/Ades e Sesi-MG, Força Olímpica e MRV/Minas.A Superliga Masculina terá quatro partidas: às 19h30 a Ulbra/São Paulo recebe a Unisul; às 20h jogam UCS/Colombo e Shopping Jaraguá/Náutico. Às 20h30, a Telemig/Minas recebe a Wizard/Suzano e Union Pack/Bento Gonçalvez recebe a Intelbrás/São José.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.