Vôlei: pela sucessão de Venturini

As levantadoras Marcelle e Carolina querem mostrar que com o fim da "era Fernanda Venturini", a Seleção Brasileira vai manter o mesmo padrão alto nas competições até os Jogos de Pequim/2008. Se Fernanda era titular absoluta, as duas jogadoras já travam um bom duelo para ver quem vai estar na quadra.Carolina, de 27 anos, afirma: "Está tudo bem comigo e a Marcelle. Quem está melhor no dia joga. Está sendo bom para o grupo e isso vai continuar, sem problema nenhum. Pelo menos agora o time não depende só de uma levantadora." A ponta Jaqueline, eleita a quarta melhor jogadora do Torneio de Montreux, garante: "Ainda estamos nos entrosando com as levantadoras.Só joguei com a Carol no começo de 2001, faz muito tempo. Com a Marcelle também não tive oportunidade de jogar antes. Teremos muitos jogos para nos entrosarmos." O trabalho de Zé Roberto daqui em diante será uniformizar o trabalho das duas levantadoras. "Precisamos jogar com mais velocidade, precisão, trabalhar distribuição das bolas. Vamos ter de mudar algumas coisas nos treinos. A gente teve muita sorte. As duas estão no mesmo nível, mas jogam com velocidades diferentes. Uma (Carol) é canhota, a outra (Marcelle) é destra. Mas os acertos vêm com o tempo", avalia.A terceira levantadora da equipe, Daniele Lins, de 20 anos foi cortada do grupo, que viajará para o Japão com 13 atletas. "Foi com muita dor no coração que a cortamos. Foi difícil pelo que ela significa no grupo: ela tem a cabeça muito boa, é positiva, dá força para todo mundo, tem um bom astral. Ela vai ficar treinando no Brasil e não pode abaixar a cabeça", concluiu Zé Roberto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.