Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Vôlei põe em quadra o time de Pequim

Bernardinho escala hoje, contra a França, equipe ideal para os Jogos

Eduardo Kattah, O Estadao de S.Paulo

12 de julho de 2008 | 00h00

Preocupado em definir uma base e dar entrosamento à equipe que vai lutar pela medalha de ouro nos Jogos de Pequim, o técnico Bernardinho, da seleção brasileira masculina de vôlei, coloca em quadra hoje, contra a França, pela Liga Mundial, a provável formação titular do Brasil nas Olimpíadas. O confronto, às 10 horas, no ginásio Mineirinho, em Belo Horizonte (com TV Globo), é válido pela penúltima rodada da fase intercontinental da Liga e marca a estréia de Giba na competição. O atacante se recuperou de torção no tornozelo esquerdo e vai entrar em quadra ao lado de Dante, Gustavo, André Heller, Marcelinho, André Nascimento e do líbero Sérgio Escadinha.Se nas oito partidas anteriores Bernardinho optou por fazer avaliações, a intenção, agora, é "enfatizar uma formação para dar o entrosamento necessário." "Se não houver nenhum acidente, do ponto de vista físico ou técnico, a tendência é que a equipe que estiver no ginásio pela Liga Mundial siga em frente", observou. O treinador explicou que a equipe vem trabalhando forte física e tecnicamente. "Agora é hora de nós afinarmos a questão tática."A principal preocupação de Bernardinho é preparar a seleção para disputa olímpica que, acredita, será muito equilibrada. O técnico está incomodado com o amplo favoritismo atribuído à equipe brasileira. "Nosso objetivo é combater essa idéia, que se torna um pouco lugar-comum, de que o Brasil é o virtual campeão. A gente sabe que isso não é verdade."Para Bernardinho, no momento, seleções como Estados Unidos, Rússia e Bulgária estão "um pequeno passo à frente" do Brasil e outras, como Itália e Polônia, em condições "muito similares."TENSÃOO técnico admite que a tensão no grupo é maior do que em 2004, na véspera dos Jogos de Atenas, quando a seleção conquistou a medalha de ouro. "A cada ano, a cada momento, a cada dia que passa e se aproximam os Jogos Olímpicos, esse rótulo (do favoritismo) vem sendo cada vez mais usado. As perguntas em relação a ser o time a ser batido são mais freqüentes e isso gera certa ansiedade." Bernardinho, porém, não vê risco de o time "perder o foco." "O peso é tão grande que você não consegue tirar os pés do chão."O técnico do Brasil indicou que deverá aproveitar hoje o meio-de-rede Rodrigão, que retorna de uma cirurgia no joelho esquerdo e foi relacionado. Bernardinho terá de definir entre Rodrigão e Éder o último corte do grupo de atletas que irá a Pequim. "Claro que ele (Rodrigão) não está ainda nos 100% da sua forma, mas está bem, tranqüilo, fisicamente já apto", disse o técnico.O meio-de-rede, por sua vez, não esconde a ansiedade. "Quanto antes eu jogar, melhor. Independentemente de eu estar 100% ou não, preciso jogar."Brasil e França somam 14 pontos no Grupo A da fase intercontinental da Liga, mas a equipe nacional lidera a chave pelo primeiro critério de desempate, o chamado ponto average (divisão dos pontos marcados pelos pontos sofridos). No domingo, as duas seleções voltam a medir forças em Belo Horizonte, também às 10 horas. A fase final da Liga será disputada entre os dias 23 e 27, no Rio de Janeiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.