Vôlei: Unisul confia em Milinkovic

O argentino Marcos Milincovic, de 32 anos, 2,05 metros e 100 quilos, foi destaque da Unisul na vitória contra a Ulbra, no primeiro jogo da série melhor-de-cinco que decide a Superliga Masculina de Vôlei. Milincovic, o melhor jogador do Mundial da Argentina, em 2002 ? bonito e vaidoso, é muito assediado pelas fãs argentinas e ídolo em seu país ?, busca um título inédito em sua quinta temporada no vôlei brasileiro. Seus vínculos com o País aumentaram após o nascimento do filho Luka, há um mês e meio, em Florianópolis (SC), onde vive com a mulher, a sérvia Jelena. O segundo jogo do playoff será nesta quinta, às 17h30, em Florianópolis (com SporTV). ?Treinamos oito meses com o objetivo de chegar à final. Eliminamos o Minas na semifinal e demos um passo importante com a vitória no primeiro jogo, fora de casa.? Mesmo assim, Milincovic ainda aposta em equilíbrio. Com Marcelinho, Badá, Dirceu, André Heller e Alex, mais o líbero Jeffe, forma a base da Unisul, do técnico Carlos Weber, também argentino. Rapha, Xanxa, Roberto Minuzzi, Dentinho, Renato Felizardo e Riad e o líbero Alan estão no time-base do técnico Marcelo Froncowiak, que tentará empatar o playoff. Milincovic é o primeiro pontuador da Superliga, com 468 pontos, terceiro no ataque (42,80%), atrás de André Nascimento, do Minas, com 43,75% de eficiência, e de Murilo, do Suzano, com 43,48%. É o primeiro no saque, com 9,32%. Atuou na Itália por seis temporadas, sem nunca vencer um torneio ? quando Renan Dal Zotto, diretor-técnico foi buscar Milincovic, o oposto estava em Milão. No Brasil, havia passado pelo Maringá e pelo Chapecó e jogou duas temporadas na Olympikus, que em 1997/1998 chegou bem perto do título. Milincovic gosta de viver em Florianópolis. ?A forma de vida é bem parecida com a da Argentina. Na Europa é um pouco diferente.? Para ele, a rivalidade entre brasileiros e argentinos restringe-se ao campo esportivo. ?São povos bem parecidos.? Acha que o Brasil tem um bom vôlei, ?com um grande número de jogadores de talento?, mas afirma que a Itália, por reunir os melhores estrangeiros, tem o campeonato interno mais competitivo do mundo. Assim que terminar a Superliga, Milincovic vai se apresentar à seleção argentina, entre 10 e 15 de maio. A Argentina conseguiu vaga nos Jogos de Atenas no Pré-Olímpico da Venezuela, mas está fora da disputa da Liga Mundial. A aposentadoria não está nos planos para os próximos três ou quatro anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.