Volta da França passará novamente pelos Pirineus antes de ir aos Alpes em 2016

Os organizadores da Volta da França anunciaram nesta terça-feira o percurso da edição de 2016 da mais tradicional prova do ciclismo, que vai ser disputada entre os dias 2 e 24 de julho. Na avaliação do especialistas, a rota é favorável às habilidades multidisciplinares do atual campeão, o britânico Chris Froome.

Estadão Conteúdo

20 de outubro de 2015 | 09h16

A prova, em julho de 2016, terá dois contra-relógios e 28 difíceis escaladas. A próxima edição da Volta da França terá um percurso de 3.519 quilômetros. Os ciclistas subirão os Pirineus antes dos Alpes, como aconteceu este ano, novamente em um caminho na direção oposta ao sentido horário através do território francês. Isso quebra a tradição, porque normalmente a prova alterna a direção entre um ano e outro.

Froome, que também venceu a Volta da França em 2013, é considerado um dos principais especialistas nas escaladas e também nos contra-relógios individuais, o que em princípio também o torna favorito para a próxima edição da prova.

Em 14 de julho, dia da Festa Nacional Francesa, em que se celebra a Tomada da Bastilha, a subida do Monte Ventoux vai desafiar os melhores escaladores. Froome venceu em 2013, na última passagem da Volta da França pelo pico de 1.909 metros.

O Monte Saint-Michel, na costa da Normandia e onde há uma abadia declarada Patrimônio da Humanidade, abrirá a disputa da Volta da França. A primeira etapa terminará na praia Utah, utilizada nos desembarques do Dia D em 1944.

A Volta da França fará uma breve visita ao Maciço Central antes de chegar às montanhas mais altas dos Pirineus. No Alpes, que receberão as últimas etapas antes da chegada final da Prova em Paris, a prova passará junto ao Mont Blanc, o pico mais alto da Europa. "Será extraordinário", disse o diretor da Volta da França, Christian Prudhomme.

Tudo o que sabemos sobre:
ciclismoVolta da Françapercurso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.