Ernesto Rodrigues/AE
Ernesto Rodrigues/AE

Voltar a fazer gol, o desafio da vez para Neymar

Atacante espera dar fim a período sem marcar e também ajudar seu time a derrubar o Corinthians esta tarde, no Pacaembu

Sanches Filho / SANTOS, O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2011 | 00h00

ESPECIAL PARA O ESTADO

Neymar entra em campo hoje com dois desafios: ajudar o Santos a quebrar a marca negativa de sete jogos sem vencer o Corinthians no Pacaembu - para que o time volte a ter condições de brigar pelo título brasileiro - e marcar o seu primeiro gol contra o arquirrival na capital. Mas, não será fácil, sem a parceria do contundido amigo Paulo Henrique Ganso para ajudá-lo.

Além disso, Neymar está mudado. Suas atuações continuam de alto nível, tanto no Santos como pela seleção, mas desde a participação apagada na Copa América, deixou de ser letal nas finalizações e tem sido contido com mais facilidade pelos oponentes.

Faz seis jogos que Neymar não marca. Seu último gol foi na vitória por 2 a 1 do Santos contra o Bahia, em Salvador. Converteu o pênalti sofrido por Ganso. Desde então, o atacante passou em branco nas partidas diante do Fluminense, São Paulo, Internacional, Avaí e Cruzeiro, atuando pelo Santos, e contra a Argentina, no primeiro dos dois jogos do Superclássico das Américas.

Não é normal Neymar ficar mais de 500 minutos em campo sem fazer um gol. Para Muricy, o xodó santista passa por uma transformação. "Eu e Neymar realmente nos aproximamos. Ele é muito jovem e estou tentando controlá-lo em algumas coisas, dando orientações, principalmente nos treinos"", revela o treinador. "Procuro passar coisas para que Neymar ganhe maturidade e experiência. Ele está aceitando, o que é importante. Está ficando mais em pé no campo, tomando pancada e aguentando sem reclamar do juiz.""

Falta de concentração. Mas o que pode estar mexendo com a cabeça de Neymar é a batalha travada pelos gigantes Real Madrid e Barcelona para contratá-lo. Pelo menos à distância, há indícios de que o seu pai já não consegue fazer com que os milhões de euros oferecidos pelos dois clubes espanhóis não influenciem o seu desempenho em campo.

O comportamento de Neymar da Silva Santos, que ajuda a decidir o futuro e administra a fortuna mensal que o filho ganha, também não é mais a mesmo. Ao exigir, na semana passada, uma posição do Santos em relação ao futuro do atacante, emitiu sinal de que ele não está mais disposto a baixar a cabeça e concordar com as decisões dos dirigentes.

O que se comenta é que, depois que a cúpula santista acertou a venda de Neymar ao Barcelona, com a entrega do jogador em janeiro de 2013, mas em seguida optou por deixar o caso em banho-maria, os representantes do jogador queriam que o clube aceitasse a nova proposta do Real, superior em vários pontos à do concorrente, mas com uma condição: que a liberação de Neymar fosse em janeiro de 2012.

Na esperança de que Barcelona suba a sua oferta 60 milhões (cerca de R$ 143,1 milhões), o Santos disse não. E o staff de Neymar teve de aceitar, em razão do contrato em vigência.

JEJUM INCÔMODO

6 partidas é o período de jejum de Neymar. A última vez em que o atacante marcou um gol foi contra o Bahia, de pênalti

7 jogos sem vencer o Corinthians em confrontos no Pacaembu é a marca que o Santos tentará quebrar esta tarde

4 gols tem Neymar neste Campeonato Brasileiro. O artilheiro do time e da competição é Borges, que já marcou 16 vezes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.