Reuters
Reuters

Wada admite preocupação após denúncias de doping

Entidade condena casos sistemáticos na natação da Rússia

Estadão Conteúdo

23 de março de 2016 | 17h15

A Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês) viu com especial preocupação a reportagem publicada nesta quarta-feira pelo jornal britânico The Times, que revela que o médico Sergei Portugalov, banido por toda a vida por comandar o escândalo de doping no atletismo da Rússia, também está envolvido com a federação de desportos aquáticos do país. O diário denuncia que Portugalov comanda esquema semelhante na natação.

"A Wada já escreveu para o organismo mundial de natação, a Fina. Em participar, nós estamos preocupados com as alegações de que Sergei Portugalov - que já está cumprindo uma suspensão vitalícia depois do trabalho da comissão independente - pode estar trabalhando na natação. Deve ser observado que, pelo Código Mundial Antidoping, qualquer banimento deve ser reconhecido por todas as federações internacionais de esportes", diz o comunicado da Wada.

Mais cedo, a Fina soltou comunicado informando que não tinha conhecimento das denúncias apresentadas pelo The Times e pedindo que o diário britânico compartilhe as informações para que elas sejam apuradas. O pronunciamento da Wada também adota essa linha, mas é mais assertivo.

"Não há dúvida de que as afirmações preocupantes de hoje sobre o doping orquestrado na natação da Rússia devam ser examinadas", Craig Reedie, presidente da entidade. "Atletas limpos estão justificadamente preocupados que seus direitos estão sendo prejudicados por uma minoria que opta por dopar o esporte", criticou ele.

A Wada admite que as novas denúncias vêm num momento que a confiança no esporte limpo já está em estado de perigo. A entidade garante que vai coletar informações a respeito das denúncias e, então, decidir como conduzir possíveis investigações.

Tudo o que sabemos sobre:
The TimesRússiaFina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.