AP
AP

Wada condena vazamento de doping e nega ser fonte de dados

Agência Antidoping se manifesta após denúncias ao atletismo

Estadão Conteúdo

05 Agosto 2015 | 15h13

A Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês) veio a público nesta quarta-feira para condenar o vazamentos dos dados que fundamentam o documentário divulgado pelo canal alemão ARD no fim de semana. A entidade negou ser a fonte das informações que servem de base para a denúncia de que a IAAF (Associação das Federações Internacionais de Atletismo) teria encoberto centenas de resultados positivos em testes antidoping.

"A Wada condena o vazamento de informações confidenciais dos atletas e quer garantir aos esportistas que podem ter total confiança na proteção dos seus dados, no sistema ADAMS", declarou o diretor-geral da entidade, David Howman. O sistema é a base da Wada para armazenar e acompanhar resultados de testes antidoping em todo o mundo.

O dirigente assegurou que nenhum dado do documentário foi tirado da sua grande base de dados. "A Wada pode garantir que nenhuma informação foi vazada do seu banco de dados e podemos confirmar também que o formato dos dados reportados não são consistentes com as informações contidas na plataforma ADAMS."

Para reforçar seu argumento, Howman lembrou que o Passaporte Biológico, importante ferramenta que a Wada usa para acompanhar os atletas, só foi adotado em 2009, enquanto os dados divulgados pelo documentário, e pelo jornal The Sunday Times, tratam do período entre 2001 e 2012. Por fim, o dirigente destacou que resultados atípicos em testes de sangue não indicam necessariamente doping.

Na denúncia do canal ARD e do jornal britânico, a IAAF é acusada de encobrir centenas de casos de doping em eventos como Mundial e Jogos Olímpicos, disputados entre os anos de 2001 e 2012. A IAAF nega veementemente as acusações.

Os dois veículos de comunicação tiveram acesso ao resultado de 12 mil testes de sangue de 5 mil atletas ao longo de uma década. As informações foram tiradas do banco de dados da própria IAAF e vazadas por uma fonte não identificada.

Os documentos levantam suspeitas sobre um terço das medalhas conquistadas em provas de resistência em Mundiais e Jogos Olímpicos disputados em uma década. De acordo com a análise, 800 atletas, competindo dos 800 metros à maratona, registraram testes de sangue com resultados suspeitos ou abaixo dos padrões da Wada.

O documentário ''Doping Ultrassecreto: O Sombrio Mundo do Atletismo'', produzido pelo canal ARD, mostra ainda que 146 medalhas de Mundiais e Jogos Olímpicos, sendo 55 de ouro, foram conquistadas por atletas que apresentaram estes resultados suspeitos nos testes. Nenhum deles perdeu as medalhas em eventuais provas antidoping.

Get Adobe Flash player

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.