Reuters / Stringers
Reuters / Stringers

Wada perdoa atraso da Rússia em entrega dos dados de laboratório antidoping

'Este processo foi difícil, foi alcançado e acho que fizemos progressos', disse o presidente da Wada, Craig Reedie

Redação, Estadão Conteúdo

22 de janeiro de 2019 | 19h33

A Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês) perdoou a Rússia, nesta terça-feira, pelo seu atraso na entrega de dados laboratoriais, mas, em seguida, mencionou a possibilidade de uma suspensão olímpica se for determinado que as informações foram manipuladas.

A Rússia não cumpriu o prazo de 31 de dezembro estipulado pela Wada, mas a agência disse que estava satisfeito com os documentos que finalmente foram entregues na semana passada.

"Este processo foi difícil, foi alcançado e acho que fizemos progressos", disse o presidente da Wada, Craig Reedie. "Estou satisfeito com este nível de progresso e que avançamos significativamente", acrescentou.

A Wada continua a analisar o que diz ser grandes quantidades de dados de servidores e equipamentos de laboratório, informações que até agora não haviam sido disponibilizadas pelas autoridades russas.

Em uma carta publicada pela Wada nesta terça-feira, o Comitê de Revisão para o Compliance (CRC) disse que "provavelmente" vai recomendar uma suspensão para os Jogos Olímpicos se concluir que as informações foram manipuladas quando estavam nas mãos do estado russo.

"Se houver evidência de manipulação, o CRC deixou claro que vai se reunir imediatamente e, se confirmada, recomendará as sanções mais severas possíveis", disse Jonathan Taylor, que dirige o comitê. "Não se pode e nem se deve tomar uma decisão agora".

Na carta da CRC à Wada, o comitê também disse que poderia recomendar que a Rússia seja proibida de sediar campeonatos mundiais de qualquer esporte. Já qualquer decisão da agência envolvendo a participação do país nos Jogos Olímpicos teria que passar pelo Comitê Olímpico Internacional (COI).

No ano passado, o COI proibiu a presença do Comitê Olímpico da Rússia e da bandeira do país nos Jogos de Inverno em Pyeongchang, mas permitiu a participação de 168 atletas russos no torneio.

Na terça-feira, o porta-voz do presidente russo, Vladimir Putin, disse que o país tinha tentado cooperar ao máximo. "Nossas autoridades esportivas fizeram claramente o seu esforço máximo para facilitar o trabalho de representantes da Wada em Moscou, para organizar os procedimentos e contatos necessários", disse Dimitri Peskov.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.