Irek Dorozanski /AFP
Irek Dorozanski /AFP

Wada sugere suspensão de 4 anos e atletas russos com bandeira neutra

Nesta segunda-feira, o Comitê de Compliance, um dos principais painéis da entidade, sugeriu medidas drásticas contra o esporte russo

Redação, Estadão Conteúdo

25 de novembro de 2019 | 19h16

Se depender da Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês), a Rússia cumprirá mais quatro anos de suspensão e seus atletas deverão competir sob bandeira neutra nos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 e nas próximas grandes competições. Nesta segunda-feira, o Comitê de Compliance da Wada, um dos principais painéis da entidade, sugeriu medidas drásticas contra o esporte russo.

Uma delas é proibir o país de sediar grandes eventos do esporte por quatro anos, mesmo período em que os atletas da Rússia não poderiam defender a bandeira do país nas competições, como aconteceu com os esportistas do atletismo nos Jogos Olímpicos do Rio, em 2016. Estas recomendações ainda serão avaliadas pelo Comitê Executivo no dia 9 de dezembro.

A decisão preliminar da Wada é resultado da uma longa investigação sobre os dados do laboratório russo responsável pela análise de todos os casos do país. A análise detalhada de todas as informações do local fazia parte de acordo para liberar a Rússia, principalmente o atletismo, para disputar normalmente todas as competições. De acordo com a Wada, dados de centenas de casos positivos foram apagados.

A Rússia foi oficialmente banida dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2018, disputados em Pyeongchang, na Coreia do Sul. Mas o Comitê Olímpico Internacional (COI) permitiu ao país enviar 168 atletas ao grande evento sob o nome de "Atletas Olímpicos da Rússia". Nesta lista, por decisão da entidade, não havia esportistas com histórico de doping no currículo ou mesmo com suspeita de envolvimento nos casos sistemáticos denunciados desde 2015.

Esse sistema poderá ser reproduzido pelos próximos quatro anos se as propostas do painel foram aprovadas. A Rússia, assim, não seria representada formalmente tanto em Tóquio-2020 quanto nos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, em 2022, além dos Mundiais de diversas modalidades.

A decisão da Wada poderá trazer fortes consequências para a Uefa. Se não puder mais receber grandes eventos esportivos por um período de quatro anos, a Rússia não poderá mais receber jogos da Eurocopa do próximo ano, a ser realizada em diversas cidades espalhadas pelo continente, incluindo São Petersburgo. A mesma cidade já foi escolhida pela Uefa para receber a final da Liga dos Campeões em 2021.

O atletismo russo enfrenta seguidas denúncias de doping desde 2015, quando a modalidade foi suspensa mundialmente após investigações da Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês). A entidade encontrou evidências de casos de doping sistemático no país, contando até com a ajuda de membros do estado.

A investigação se ampliou com denúncias de que trocas de amostras de atletas russos foram recorrentes durante a disputa dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2014, em Sochi, na Rússia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.