Washington diz que jejum de gols acaba hoje

Se o São Paulo não vence desde 22 de abril, Washington está em jejum ainda há mais tempo. O último gol marcado pelo camisa 9 tricolor foi no dia 2 do mês passado, na vitória por 2 a 1 diante do Guaratinguetá, pela primeira fase do Campeonato Paulista. Como é impossível voltar a vencer sem colocar a bola nas redes, o centroavante espera que a estiagem termine hoje contra Palmeiras não só para ele como para a equipe, que perdeu quatro dos últimos seis jogos.Washington se considera uma espécie de termômetro do time. Diz que não está marcando gols porque não tem oportunidades, o que seria uma das razões da equipe estar em má fase. "A ocasião faz o ladrão e as oportunidades fazem um artilheiro. Se não tenho oportunidades, o que posso fazer?", reclama. O goleador arrisca um palpite para explicar a escassez de chances de gol: "Além da marcação adversária estar muito forte, o time também não consegue jogadas com medo de errar, por causa da falta de confiança." Logo depois, suspira. "Na verdade, é muita coisa junta que não está correndo bem. E acaba ocasionando isso." Já são seis jogos sem estufar as redes adversárias. A pressão para voltar a marcar incomoda. "Não penso em termos de números", explica o centroavante. "Claro que ficar seis jogos sem marcar não é bom para um atacante. Mas tenho feito jogadas de pivô, jogando um pouco mais de costas para o gol e tentando ajudar os companheiros. Uma hora tudo vai dar certo e vamos pegar o ritmo novamente."Agora, em um clássico como hoje e em jogos decisivos da Taça Libertadores, como contra o Cruzeiro, quarta-feira, a necessidade de marcar torna-se ainda maior. Washington sabe que se conseguir fazer um gol pode recuperar seu prestígio com a torcida - já que com Muricy ele segue em alta. "Goleador não desaprende. Logo o cara acha o caminho de novo e não para de fazer gols nunca mais. Temos de ter paciência", afirma o técnico tricolor.

GIULIANDER CARPES, O Estadao de S.Paulo

24 de maio de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.