Washington é multado e terá de se acostumar à reserva

Atacante pagará R$ 40 mil, ou 20% do salário, como punição por críticas a R. Gomes e deverá ficar mais uma vez no banco

Giuliander Carpes, O Estado de S.Paulo

21 de abril de 2010 | 00h00

A situação de Washington no Morumbi ficou praticamente incontornável. Após críticas públicas ao treinador por ter começado o jogo contra o Santos no banco de reservas, o jogador foi enquadrado por Ricardo Gomes, que ganhou o apoio dos demais atletas. Para completar, a direção aplicou ontem uma punição pesada ao centroavante: multa de R$ 40 mil, 20% do salário de R$ 200 mil do camisa 9.

"Houve uma quebra de disciplina, de respeito à autoridade da comissão técnica. A forma como o Washington se comportou gerou desgaste, mal-estar. E a diretoria concluiu que o correto seria aplicar uma penalidade por razões disciplinares", contou o vice-presidente de futebol Carlos Augusto de Barros e Silva.

Há membros da diretoria que pressionam também para a dispensa do jogador, medida ainda descartada pelo presidente Juvenal Juvêncio. Pesa contra o centroavante a reincidência. No ano passado, tanto Washington quanto Borges, que disputavam posição, reclamaram das escolhas de Muricy Ramalho. O técnico foi o primeiro a ser punido após a eliminação na Taça Libertadores - a perda do comando do grupo acabou sendo uma das justificativas. Depois, Borges partiu para o Grêmio. Washington ganhou outra chance.

"Quando cheguei, tinha a mesma história", lembrou Ricardo Gomes. "O jogador querer jogar é uma coisa, mas tem de respeitar os companheiros. Quem não está satisfeito..."

O certo é que o atacante, embora esteja relacionado para enfrentar o Once Caldas, não começará a partida como titular mais uma vez. Ricardo Gomes disse que Marlos volta ao time - no lugar de Cléber Santana - e essa seria a única alteração na equipe derrotada para o Santos domingo. "Do lado esportivo, não muda nada. O Washington é uma opção", disse o técnico. "Só tem de se acostumar a ir para o banco."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.