Washington renega a fama de carrasco

Atacante não quer ficar marcado como o algoz do São Paulo

Amanda Romanelli, O Estadao de S.Paulo

20 de dezembro de 2008 | 00h00

Sempre que São Paulo e Washington se encontraram em 2008, não havia motivo para comemoração no Morumbi. Pelo menos, até ontem. Afinal, o atacante que decretou a eliminação da Taça Libertadores (marcou dois gols) e determinou a derrota no primeiro turno do Campeonato Brasileiro (fez outros três) mudou de lado. Agora, promete, deixará de ser o carrasco para tentar ser o herói são-paulino de 2009. "Depois de fazer a torcida triste, quero deixar todo mundo feliz", prometeu o jogador, em entrevista coletiva ontem, em Curitiba.Washington tinha recebido propostas de dois clubes japoneses - Gamba Osaka e Urawa Red Diamonds, equipe que defendeu em 2006 e 2007 -, além de ser mantido nos planos do Fluminense, onde jogou nesta temporada. Mas o atacante decidiu se transferir para o São Paulo por um desejo. "A oportunidade de ganhar a Libertadores me seduziu, assim como a estrutura do clube", admitiu o atacante, que levou o Fluminense às semifinais depois de acabar com o sonho do São Paulo. O time carioca, porém, perdeu na final para a LDU. "Qualquer jogador vai de olhos fechados para o São Paulo. Vou fazer de tudo para brigar pelos títulos."Antes de assinar o contrato de um ano, Washington passou por uma bateria de exames com o cardiologista Constantino Constantini. A avaliação é necessária porque o atacante, de 33 anos, já ficou 14 meses afastado do futebol - em 2003, passou por duas angioplastias e colocou dois stents (pequenas molas) para evitar a obstrução de artérias. Além disso, Washington é diabético. "Os exames sempre me preocupam, mas deu tudo certo", comemorou.O perfil do jogador, goleador do último Campeonato Brasileiro, com 21 gols, agrada ao técnico Muricy Ramalho. A ponto de Washington dizer que brigará pela artilharia do próximo Campeonato Paulista contra os rivais - o São Paulo não tem um goleador no torneio desde 2003, quando Luís Fabiano fez oito gols. "O Ronaldo é um grande jogador, uma ótima contratação, mas existem outros jogadores, como Kléber Pereira. Tenho certeza de que vamos fazer grandes duelos na busca pela artilharia do Paulista."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.