AFP
AFP

Weidman vence Belfort no 1ª round e mantém cinturão do UFC

Americano conquista vitória rápida com nocaute técnico

Estadão Conteúdo

24 de maio de 2015 | 09h29

O brasileiro Vitor Belfort não foi páreo para tirar o cinturão dos médios do UFC de Chris Weidman. O norte-americano venceu até com certa facilidade, após cerca de três minutos de combate, na madrugada de sábado para domingo, em Las Vegas, e manteve-se como melhor lutador da categoria na principal competição de MMA do mundo.

Weidman ainda confirmou a condição de "carrasco" de brasileiros, após ser o responsável por tirar o cinturão de Anderson Silva e vencê-lo novamente na revanche. Sua segunda defesa de título aconteceu também diante de um lutador do País: Lyoto Machida. Vitor Belfort aparecia como grande desafiante à hegemonia do norte-americano, mas não resistiu nem ao primeiro round.

O brasileiro até começou melhor e assustou o adversário com sua característica explosão, que gerou uma sequência de socos que balançou Weidman e resultou em um corte no seu supercílio, mas o norte-americano soube se manter, não cedeu à pressão e, a partir daí, dominou completamente o combate.

O campeão mostrou qualidade no chão e conseguiu levar Belfort para o ringue. Então, teve agilidade para montar em cima do brasileiro e castigá-lo com uma sequência de fortes socos, que fizeram a cabeça do adversário bater no solo por diversas vezes. Sem reação do outro lado, o árbitro interrompeu o combate e decretou a vitória a Weidman.

O norte-americano comemorou com uma bandeira de seu país e fez um pedido à torcida e à imprensa após ampliar sua invencibilidade para 13 lutas. "Parem de duvidar de mim. Já é o suficiente", gritou para a plateia. "É melhor se juntarem à equipe agora. Este é o último convite."

Weidman também falou sobre os momentos em que Belfort o atacou no início do round. "Ele me acertou com alguns bons socos, mas eu estava lá aguentando. Eu ficava me cobrindo, cobrindo, cobrindo, e depois estava pronto para reagir", avaliou.

Belfort não lutava desde o fim de 2013 e teve 18 meses pare se preparar. Derrotado, o brasileiro preferiu não dar desculpas e admitiu a superioridade do adversário. "Ele me deixou em uma posição ruim e, então, acertou alguns golpes. Não há desculpas, ele foi um homem melhor esta noite", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.