Wolf, um golfista de 87 anos

Não haveria nada de mais se o autor daquelas tacadas longas, ainda um tanto precisas, capazes de permitir a ele competir contra adolescentes, não tivesse 87 anos de idade. Wolf Hötte, há 40 praticante do golfe e aposentado há apenas 3, desafia as leis biológicas, atesta a máxima de que não há idade para a prática desse esporte e afirma: ?Penso que 90% desse meu bem-estar devo ao golfe, dedico-lhe quatro dias por semana, ele me educa, não vou parar nunca?. Os nomes até rimam, wolf com golf, e quem observa a intimidade desse curitibano, filho de um alemão com uma suíça, com as exigências do golfe, reforça a associação de um com outro. Mas não é assim também, como o próprio Wolf explica com impressionante lucidez: ?Reparei nos últimos anos que meus drives (tacadas iniciais) estão ficando mais curtos??, diz. ?Não é uma questão de força. Percebo, sim, que a sincronia de meus movimentos não é a mesma.?? Campeão Sul-Americano no Chile duas vezes, na categoria Sênior, destinada a golfistas com mais de 55 anos, e segundo colocado na mesma competição na Argentina e na Venezuela. Esses são alguns títulos de Wolf, que empresta seu nome à elegante sala de estar do Graciosa Country Clube de Curitiba, onde terminou, ontem, o 5º Torneio Audi de Golfe. ?Ganhei 146 taças até hoje??, lembra. ?Fiz vários hole in one (acertar o buraco só com uma tacada) sim senhor??, responde ao repórter, que inadvertidamente lhe pergunta se já havia conseguido algum. A conversa com o golfista é interrompida por um amigo que não resiste à tentação de revelar um dos seus segredos. ?Ele toma cinco ou seis doses de gim com tônica todo dia.?? Wolf assume. E já que o momento é de revelações, não esconde: ?Adoro também Drambuie (conhaque).?? O tempo e Wolf parecem manter uma relação única, de cumplicidade. ?Venho ao clube e volto para casa dirigindo meu próprio carro.?? Ao falar da esposa, Ruth, um pouco mais jovem, 85 anos, não deixa de esconder a sua reprovação a tanta dedicação ao golfe, mesmo depois de 63 anos de casados: ?Ela se autointitula viúva. Não porque o marido morreu, mas para o golfe.?? Depois o mais carismático golfista do torneio a recupera: ?No fundo, ela sempre me incentiva a participar das competições.?? Resultados das competições amadoras de sábado e neste domingo no 5º Torneio Audi de Golfe: no masculino, Categoria Scratch (sem handcap), Luiz Costacurta, com 150tacadas, 8 abaixo do par do campo; no feminino, Scratch, Patrícia Carvalho, 148.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.