Zagueiro santista se cala para evitar polêmica com desafeto palmeirense

Domingos foi proibido pela diretoria do Santos de dar entrevistas até o clássico de domingo contra o Palmeiras, no Palestra Itália, para evitar polêmica com Diego Souza. O medo dos santistas é de que alguma declaração do zagueiro, que vai substituir o suspenso Fabiano Eller, possa ser usada pelo rival. Seguindo ordem da diretoria, o santista passou longe dos jornalistas nos últimos dias. Sem vencer há três rodadas e com a segunda pior defesa do Brasileiro (14 sofridos), o time de Vágner Mancini vai buscar a reabilitação no clássico. Mancini ameaça mudar bastante a equipe para acabar com as falhas do sistema defensivo. No coletivo de ontem, Neymar, melhor jogador das semifinais contra o Palmeiras, perdeu por algum tempo a vaga para a entrada do zagueiro Paulo Henrique, como terceiro volante. A mudança não funcionou e o atacante voltou ao time titular. Em seguida, Paulo Henrique foi testado como zagueiro pela direita. "Sou zagueiro, mas não vejo problema de jogar como volante de contenção. Posso voltar para fazer a função de terceiro zagueiro e sair apenas na boa", afirmou Paulo Henrique. A possibilidade de se tornar titular contra o Palmeiras traz boas lembranças ao jogador. Ontem, ele recordou com orgulho o gol de cabeça que marcou sobre o goleiro Marcos, na vitória por 3 a 1 do Goiás, contra o time do Parque Itália, no Serra Dourada. "Foi um gol muito importante por ter sido no Marcos, um grande campeão mundial", afirmou Paulo Henrique, que pretende repetir a dose. "Se eu entrar, vou procurar fazer outro no domingo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.