Zanetti brilha, mas Brasil não vai ao pódio na ginástica

Zanetti brilha, mas Brasil não vai ao pódio na ginástica

País fecha a disputa em quarto lugar; Japão, Estados Unidos e Alemanha conquistam ouro, prata e bronze respectivamente

Estadão Conteúdo

29 de novembro de 2014 | 17h29

Mesmo contando com desempenho destacado de Arthur Zanetti, que foi o melhor nas argolas e no salto sobre a mesa, o Brasil acabou ficando fora do pódio da disputa por equipes da etapa de Stuttgart da Copa do Mundo da Ginástica, neste sábado, na Alemanha. Finalista da competição, o país fechou a disputa em quarto lugar, enquanto o ouro foi conquistado pelo Japão, a prata pelos Estados Unidos e o bronze pela Alemanha.

Na final deste sábado, os brasileiros somaram um total de 175.250 pontos e ficaram logo atrás dos anfitriões da competição, que contabilizaram 175.950. Já os japoneses fizeram 177.100 para ir ao topo do pódio, enquanto os norte-americanos asseguraram o segundo lugar com 176.550.

Campeão olímpico nos Jogos de Londres, em 2012, e campeão mundial em 2013, Zanetti confirmou o seu favoritismo nas argolas, garantindo a maior nota desta prova com 15.850 pontos. O segundo colocado neste aparelho foi o norte-americano Christopher Maestas, com 15.400, e o japonês Shohei Fujiwara ficou em terceiro, com 14.800.

Outros dois brasileiros competiram nas argolas, com Lucas Bitencourt ficando em nono lugar, com 14.100 pontos, e Francisco Barreto Junior logo atrás, em décimo, com 13.350.

Outro aparelho no qual Zanetti brilhou foi no salto sobre a mesa. Ele atingiu 14.900 pontos e terminou a disputa empatado em primeiro lugar com o alemão Helge Liebrich, que teve a mesma nota. Já o japonês foi Rikii Hoshino somou 14.800 e foi o terceiro melhor nesta prova. O brasileiro Arthur Nory também não foi mal ao ficar em quinto, com 14.650, enquanto Lucas Bitencourt terminou em sétimo, com 14.450.

Na maioria dos outros aparelhos, porém, o Brasil não conseguiu se sobressair e isso pesou para que o País ficasse fora do pódio. Além das primeiras posições de Zanetti nas argolas e no salto sobre a mesa, apenas nas barras assimétricas a seleção nacional conseguiu um bom resultado entre as seis provas que compunham a final. Neste último aparelho, Francisco Barreto Junior ficou em segundo lugar, com 14.850 pontos, e só foi superado pelo alemão Andreas Bretschneider, que somou 15.150.

Neste domingo, dia derradeiro de disputas em Stuttgart, o Brasil será representado apenas por Sérgio Sasaki na final do individual geral da competição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.