Orlando Barría/EFE
Orlando Barría/EFE

Zanetti é prata nas argolas e Chico Barretto fatura o ouro no cavalo com alça no Pan

Brasil conquista mais duas medalhas na ginástica artística dos Jogos de Lima

Paulo Favero, enviado especial a Lima, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2019 | 17h57

O Brasil conquistou mais duas medalhas na ginástica artística nos Jogos Pan-Americanos. Chico Barretto fez uma bela exibição no cavalo com alça e ficou com a medalha de ouro. Já Arthur Zanetti não conseguiu ter uma ótima apresentação nas argolas como na prova por equipes e acabou ficando com a prata.

Zanetti cometeu alguns pequenos erros e fez 14.400 pontos, bem abaixo dos 15.000 que obteve no domingo. Já Caio Souza foi quarto no mesmo aparelho, com a mesma pontuação do bronze. Ainda nesta terça-feira, Zanetti ficou em sétimo no saltos (Arthur Nory foi quarto). No feminino, Lorrane Oliveira ficou com a quarta posição e Carolyne Pedro com a sétima.

"Eu tive uma inflamação no ombro direito. Aconteceu nos treinos e acabei sentindo dor na prova. Infelizmente meu dever pessoal não foi cumprido e não saio satisfeito. Agora vou tratar, fazer fisioterapia e me recuperar. Minha participação acabou aqui no Pan", lamentou Zanetti, bastante chateado por não ter sido campeão.

Pela primeira vez um atleta brasileiro conquistou o ouro no cavalo com alça. Chico Barretto comentou que fez uma série segura, mas reconheceu que não foi brilhante. Ele lembrou que um atleta trabalha sob pressão, então ele está acostumado a isso, mas o feito mostra que o trabalho está sendo bem feito para que os atletas nacionais melhorem neste aparelho.

"Eu fui campeão nos Jogos Sul-Americanos em Cochabamba e aqui encontrei alguns atletas que estavam lá e sabia que tinha grande chance de ser finalista. Cavalo é complicado, qualquer vacilo pode escorregar a mão, quedas acontecem e tiram ponto, mas eu venho treinando muito esse aparelho, todos os dias", disse.

Chico participou da equipe que conquistou a medalha de ouro no domingo, repetindo o feito do Pan de Guadalajara. Na segunda-feira, Caio Souza e Arthur Nory foram primeiro e segundo colocados, respectivamente, na disputa do individual geral, outro resultado histórico para a ginástica artística nacional no Pan.

"Meu sonho era ter uma medalha individual e agora veio essa recompensa com essa medalha histórica. O melhor resultado antes era um bronze no cavalo e estou satisfeito. Fiz meu trabalho. Agora vou disputar as provas de barra fixa e paralelas e isso tira 50% do peso agora. Se a medalha vir novamente, será reconhecimento do esforço", continuou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.