Zanetti prevê dificuldades para ir ao pódio do Mundial

Antes de embarcar para a Antuérpia, onde acontecerá o Mundial de Ginástica Artística de 30 de setembro a 6 de outubro, Arthur Zanetti disse prever dificuldades para subir ao pódio na competição na Bélgica. Atual campeão olímpico da prova de argolas, o brasileiro acredita que a disputa será "dura".

AE, Agência Estado

17 de setembro de 2013 | 15h49

"Sempre tem os chineses, um ginasta grego que é muito bom, e muitos outros. Vai ser uma disputa dura. Vamos decidir lá a série que apresentaremos, dependendo do que os meus adversários vão mostrar também", afirmou Zanetti, ao revelar preocupação com os adversários que terá no Mundial.

Além de ser o campeão olímpico, Zanetti foi vice-campeão mundial das argolas no campeonato de 2011, no Japão. E nesta temporada foi campeão de todas as competições que disputou, incluindo as etapas da Copa do Mundo em Doha e em Anadia. "Quero voltar ao pódio do Mundial", avisou o brasileiro.

Enquanto Zanetti fez sua preparação final no Brasil, o restante da seleção masculina está desde o dia 8 de setembro treinando na Alemanha - segue para a Antuérpia na próxima terça-feira. A equipe tem Arthur Nory Mariano, Diego Hypolito, Francisco Barreto Júnior, Péricles da Silva e Sérgio Sasaki.

"Fizemos um primeiro teste após esses dias de treinamento. Os atletas apresentaram suas rotinas dentro da normalidade. Algumas coisas precisam ser melhoradas e vamos trabalhar isso esta semana, antes do próximo teste", avaliou o treinador da seleção masculina, o bielo-russo Vladimir Vatkin.

Arthur Nory e Sérgio Sasaki irão competir pelo individual geral. Nos aparelhos, o Brasil terá Zanetti (argolas), Diego Hypolito (solo e salto), Francisco Barreto (paralelas e barra fixa) e Péricles da Silva (cavalo com alças). Daniele Hypolito e Letícia Costa são as representantes no feminino.

Tudo o que sabemos sobre:
ginástica artísticaArthur Zanetti

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.