Zé Eduardo ganha chance no Santos hoje em Barueri

Cigano do futebol aos 23 anos, atacante jogará ao lado de Neymar e Marcel contra o forte Cruzeiro, às 18h30, na Arena

Sanches Filho, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2010 | 00h00

O atacante Zé Eduardo tem 23 anos e sempre está presente nas brincadeiras ao lado de Neymar e Paulo Henrique Ganso, mas não é exatamente um menino da Vila. Apesar da pouca idade, já rodou por diversos times e ainda tenta se firmar no Santos. Hoje, contra o Cruzeiro, às 18h30, na Arena Barueri, terá mais uma chance, escalado no trio de ataque alvinegro.

Com 12 gols marcados em 38 jogos - na maioria das vezes, começando na reserva -, Zé Eduardo quer conquistar seu espaço na equipe pelas boas atuações e não apenas por ser amigo de Neymar e companhia.

Foi escolhido pelo técnico interino Marcelo Martelotte por sua habilidade de atuar em mais de uma função: se apresenta na frente para finalizar ou dar assistências, sem perder o cuidado com a marcação no meio-campo. Assim, venceu a disputa com o jovem Alan Patrick. "Estou pronto para fazer o que o professor Marcelo me pedir. Vamos enfrentar um dos três melhores times do Brasil, mas temos qualidade para jogar bem e vencer. E, que para isso aconteça, a gente vai precisar ter alegria para atacar e humildade para defender", filosofa o atacante.

Início promissor. Zé Eduardo começou por cima no futebol. Despontou como revelação do Palmeiras na geração de Vagner Love, o que lhe rendeu o apelido de Zé Love, mas não vingou no Parque Antártica. Depois, se tornou um verdadeiro cigano do futebol, passando por outros seis clubes até chegar ao Santos no começo do ano e se transformar num dos menos famosos da nova geração de meninos da Vila. Inicialmente foi adotado por Neymar e Paulo Henrique Ganso por causa de seu jeito brincalhão, mas também caiu nas graças do "presidente" Robinho.

Se manteve no grupo e ultimamente era considerado pelo ex-treinador Dorival Júnior uma excelente opção para dar maior poder ofensivo ao time, especialmente na etapa final. "Sou muito grato ao Dorival Júnior. Não fosse ele, eu não estaria no Santos. Vou ser sempre muito grato a ele", disse Zé Love, que fez questão de negar os comentários de que também teria xingado o treinador. "Ao contrário: só tenho elogios para o professor Dorival, que considero um amigo. Tenho certeza que ele vai continuar ganhando títulos no seu novo clube e, dentro de pouco tempo, será um técnico top."

No jogo de hoje, Martelotte vai escalar Zé Eduardo ao lado de Marcel e Neymar, que segue como cobrador oficial de pênaltis. O time terá o retorno do capitão Edu Dracena, que cumpriu suspensão. Pará, suspenso, e Keirrison, machucado, estão fora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.