Zé Ricardo minimiza perda do 2º lugar e valoriza campanha do Flamengo

Treinador lembrou das dificuldades que o time enfrentou

O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2016 | 10h03

O vice-campeonato nacional não veio, mas ainda assim o técnico Zé Ricardo fez um balanço positivo da participação do Flamengo na edição de 2016 do Brasileirão. Após o empate por 0 a 0 com o Atlético Paranaense, na Arena da Baixada, no último domingo, o treinador lembrou que o time enfrentou dificuldades, especialmente por não ter uma casa durante quase toda a temporada, mas conseguiu superá-las, brigou pelo título nacional, obteve uma vaga na próxima edição da Copa Libertadores e, na sua visão, já conta com uma base consolidada para 2017.

"Um ano extremamente difícil pelo que passamos em termos de logística. Demos uma cara para equipe, uma organização, e o time encontrou uma maneira de jogar. Em cima disso conseguimos uma pontuação que poderia nos dar o título, mas o Palmeiras fez uma campanha praticamente sem nenhum erro e mereceu. Brigamos até o final. A torcida pode esperar uma equipe que vai partir do ano que vem já com alguma coisa. Pretendemos manter nossa base e fechar poucas contratações pontuais. E ano que vem vamos em busca de mais um ano forte, mas com títulos, porque a torcida merece", disse.

O Flamengo iniciou a rodada final do Brasileirão em segundo lugar, mas o time acabou sendo ultrapassado pelo Santos, que superou o América Mineiro por 1 a 0. Zé Ricardo reconheceu que isso representou uma perda financeira, mas também lembrou que não se tratava de uma tarefa fácil.

"A gente não veio jogar aqui só pelo dinheiro. Lógico que a premiação é importante para o clube, mas a gente veio para fazer um bom jogo contra uma excelente equipe, melhor mandante da competição e mostrar para gente mesmo que tínhamos condições de vencer aqui", afirmou.

Satisfeito com o desempenho apresentado pelo Flamengo em 2016, Zé Ricardo apontou que o time precisa aprender com os erros que impediram o time de ser campeão e maximizar os seus pontos fortes já pensando na próxima temporada.

"Estruturar uma equipe, dar uma cara, não é fácil. Demanda tempo e treinamento. Encontramos uma boa maneira de jogar. Tivemos adversários difíceis na competição e entendemos que partimos de um início de 2017 promissor. Precisamos trabalhar mais os pontos fortes e ver onde erramos. O treino vai ser cada vez mais valorizado para criarmos opções dentro dessa maneira de jogar e conquistar títulos", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.