Zequinha Barbosa consegue a absolvição

Zequinha Barbosa foi absolvido nesta quarta-feira, em segunda instância, da acusação de abuso sexual de menores pelo Tribunal de Justiça Regional do Estado de Mato Grosso do Sul. Em novembro do ano passado, o atleta foi condenado a uma pena de cinco anos e quatro meses de prisão, mas agora a punição foi suspensa. Aos 43 anos, ele está trabalhando atualmente na Federação Paulista de Atletismo, estudando Educação Física e treinando para voltar às pistas."Ainda estou anestesiado. Foi uma felicidade muito grande quando soube. E olha que fui um dos últimos a saber", comemorou Zequinha, que estava com o celular desligado. "Fui fazer uma prova na faculdade. Estou no primeiro ano de Educação Física."Zequinha, que conquistou medalha de prata nos 800 metros do Mundial de Tóquio/81 e bronze no de Roma/87, revelou que desde que foi acusado de abuso sexual sua vida mudou. "Ficou difícil até arrumar serviço. Hoje trabalho com a assessoria de imprensa da Federação Paulista e ajudo com informações técnicas. Aqui ninguém me discriminou", contou.Sobre sua imagem, Zequinha garantiu que não está preocupado: "Não estou pensando nisso. Se for pensar no que os outros falaram, eu não vivo. Sei que perante Deus minha imagem não foi arranhada. Minha integridade continua a mesma, apesar de eu saber que vou ter de continuar lutando. Resta fazer o que sempre fiz, que é encarar o mundo de frente. Não me escondi em casa. Todo mundo me viu como voluntário na Copa do Mundo de Ginástica no Ibirapuera (em abril)."Nas horas livres, Zequinha treina na pista de atletismo do Complexo Constâncio Vaz Guimarães, no Ibirapuera, para, quem sabe, competir nos Jogos Pan-Americanos do Rio, em 2007. "Estou treinando, sim, mas é um trabalho para fortalecimento e ganho de massa muscular. Fiquei quatro anos parado e perdi massa. É um processo lento. A idéia é em 2006 voltar a competir e se tudo der certo quero disputar o Pan. Mas ainda está longe", disse.O julgamento - Zequinha não compareceu ao Tribunal nesta quarta-feira. Mas os desembargadores Carlos Stephanini, João Carlos Brandes Garcia e José de Augusto de Souza votaram sua absolvição por unanimidade.Já o ex-assessor de Zequinha, Luiz Otávio Flores da Anunciação, que tinha sido condenado a 7 anos de prisão pelo mesmo crime, teve sua pena reduzida. Agora, precisará ficar apenas 1 ano em reclusão, mas pode substituir por pena alternativa, como distribuição de cestas básicas e prestação de serviços à comunidade.E os ex-vereadores de Campo Grande, Robson Martins e César Disney, que foram condenados com base em denúncias feitas pela mesma menina do caso de Zequinha Barbosa, não tiveram seus recursos julgados nesta quarta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.