Zico e Fla se reaproximam

Rubro-negro compra CFZ e lança ex-craque como novo chefe do futebol a partir de 2010

Leonardo Maia, O Estadao de S.Paulo

27 de junho de 2009 | 00h00

O sonho de todo torcedor rubro-negro está perto de se realizar. Zico à frente do futebol do Flamengo. Em cerimônia ontem, na Gávea, foi assinado um protocolo de intenção de compra por parte do Flamengo do Centro de Futebol Zico (CFZ), como forma de transformar o craque no homem forte do futebol flamenguista a partir do ano que vem. Eufórico, o presidente do clube, Márcio Braga, entregou um uniforme com o nome de Zico e o número 2010 às costas."O ano que vem será o ano do Zico no Flamengo. Queremos tê-lo de volta à nossa casa. Ele será o presidente do nosso futebol", disse Braga.Zico admitiu o desejo de contribuir com os rumos do clube, mas deixou claro que não abrirá mão de sua carreira de treinador para assumir em tempo integral o papel de dirigente."Admito contribuir para a profissionalização do futebol do Flamengo. Mas não abro mão do meu contrato como treinador do CSKA (que vai até 2011). Meu objetivo é ser técnico até os 60 anos (atualmente tem 56) e procurar espaço em grandes centros da Europa", disse.Por outro lado, no entanto, deu a entender que a saudade da família o aproxima do projeto. "Voltar a morar na minha cidade, ver meu neto crescer, ficar perto da família. Isso tudo pesa muito", confessou.A união se dará através da aquisição por parte do Flamengo do CFZ, clube fundado pelo craque em 12 de julho de 1996. Os valores não foram divulgados. A Fundação Getúlio Vasgas (FGV) determinará o valor a ser pago, e em quantas parcelas, dentro de três meses.Um dos motivos para o negócio é o fato de o CFZ já ser uma empresa e possuir dois centros de treinamento, na zona oeste do Rio. Outro fator é que o futebol rubro-negro finalmente passaria a ser gerido como uma empresa, cujo modelo de gestão será elaborado pela FGV. Apenas este novo projeto fez o ídolo mudar de opinião. Ele sempre se mostrou reticente em comandar o Flamengo, principalmente como técnico. Como presidente, porém, deixava a porta entreaberta. Agora, Zico aceitou o desafio, para alegria da nação rubro-negra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.